Equador 2

Um pequeno excerto do livro de Miguel Sousa Tavares:

E era tudo: a Pátria, o seu mundo, toda a sua vida, foram ficando lentamente para trás, enquanto o Zaire se afastava do cais, na Doca da Fundiíão, manobrando para evitar as areias do Bugio, e Lisboa se ia reduzindo a um ponto cada vez mais insignificante no horizonte. Debruíado na amurada, olhando sem verdadeiramente ver, ele acariciou a madeira das guardas de protecíão, como se acareasse todo o seu passado que ia fugindo no horizonte. Uma brisa fria do mar de largo provocou-lhe um súbito arrepio e recolheu-se ao camarote, onde o esperava uma bateria completa dos jornais da manhã. Os jornais de Lisboa, com notí­cias de um mundo a que deixara de pertencer.

Como eu compreendo o Luis Bernardo.

Deixe a sua opinião ou comentário: