Sharon

Há três meses atrás não nos atreverí­amos a isso, mas na viagem da próxima semana decidimos arriscar: desta vez não vamos levar a Sharon connosco para Portugal. A Sharon é a nossa cadela tekkel, e é incrivelmente medrosa.

Nos primeiros tempos que vivemos aqui em Angola era preciso arrastá-la para sair até í  varanda do apartamento. O barulho, a confusão, provavelmente os cheiros de Luanda, tudo lhe metia medo, tudo a deixava de rabinho entre as pernas, escondida debaixo do sofá. Na única viagem em que nos separámos dela, quando visitámos o Lubango, pedimos a um amigo que a visitasse para lhe dar água e comida. Passou os três dias em jejum.

Mas agora a Sharon parece outra. Habituou-se ao seu novo ambiente e recuperou a confianía perdida. Costumamos deixar a porta da varanda aberta durante o dia e ela entra e sai a seu bel prazer. Como descobriu que os vizinhos têm um gato passa o tempo a sonhar com o momento em que o vai apanhar. É verdade que quando saí­mos, durante a semana, não se entusiasma muito para ir connosco. Mas ao fim de semana, quando percebe que estamos a preparar as coisas da praia, posta-se de guarda í  porta e é a primeira a deixar a casa.

Quando recebemos amigos para jantar, faz-nos companhia civilizadamente – normalmente deitada debaixo da mesa, bem encostada aos meus pés. E na praia já não corre, ladrando furiosamente, atrás de quem ouse aproximar-se a menos de cinco metros de nós. Está uma lady, a nossa Sharon.

Por isso resolvemos poupá-la ao stress da próxima viagem, í s visitas a veterinários e serviíos de saúde, aos calmantes e í s 10 + 10 horas enfiada num caixote. Vai ficar em casa, sob a guarda do W. e da J., que vão lá ficar durante estes quinze dias (uma estadia no hotel, como eles dizem). Achamos que vai sofrer menos assim.

É claro que vai sentir a nossa falta; é possí­vel que não coma nos primeiros dois ou três dias; é provável que passe muitas horas deitada í  frente da porta, í  nossa espera, como costuma fazer quando eu saio para trabalhar. Mas feitas as contas pensamos que é o melhor para ela.

Nós voltamos, Sharon, não te preocupes. Mas vamos ter saudades tuas, lá isso vamos.

Estes artigos talvez lhe interessem

Deixe a sua opinião ou comentário:

%d bloggers like this: