Perguntas & Respostas: como escrever diálogos de jovens

Eu gostaria de saber se no processo de escrita de um guião sobre jovens posso (ou devo) utilizar expressões como por exemplo: em vez de "estás" colocar "tás" ou se devo deixar esses actos linguisticos a cargo dos actores. — Patrícia

Patrícia, a questão que me coloca também se põe noutros casos. Por exemplo, um personagem que gagueja – será que devemos escrever todos os seus diálogos com essa característica?

Pessoalmente acho que o guionista deve preocupar-se mais com o ritmo, vocabulário e síntaxe de cada personagem do que propriamente com a sua pronúncia ou tiques de linguagem, que  são essencialmente uma preocupação do actor.

Um guião que fosse totalmente escrito da maneira que refere correria o risco de ficar muito difícil de ler. Além disso, implicaria um conhecimento perfeito da pronúncia e maneirismos que se querem reproduzir, o que nem sempre é fácil (quando não é mesmo impossível).

No entanto, pode ser útil dar "um cheirinho" dessas características nos diálogos. Se o personagem gagueja, podemos referi-lo na sua descrição, quando o apresentamos, e ir introduzindo um ou outro gaguejar nos diálogos, para recordar esse aspecto aos leitores.

O mesmo se passa com os jovens – um "tás" aqui, um "pra" ali, servem para lembrar ao leitor a idade dos personagens, se combinados com o vocabulário e estilos certos. É tudo uma questão de encontrar o equilíbrio certo e a forma mais adequada à sua maneira de escrever.

 

Estes artigos talvez lhe interessem

3 comentários

  • Amanda Cristina 02/05/2013   Deixe uma resposta a →

    goostaria de fazer um dialogo  entre dois jovens e uma mae para um trabalho de portugues . Mas os jovens sempre teem que que estar falando girias maaas  naao eestou conciguiindo

  • Boa Tarde
    Uma história que se desenvolva no ano de 1960, num Bairro lisboeta, deve-se escrever o calão da época e a maneira de falar?

    • Se esse calão e maneira de falar ajudarem a contar a estória, e não distraírem do essencial, diria que sim.
      Mas a solução mais comum é dar apenas um cheirinho desse calão e maneirismos de linguagem, para ajudar a situar o local e a época.
      Por exemplo, num filme passado no século XIV não vamos com certeza colocar os personagens a falar tal e qual se falava na época, pois não seriam entendidos pelos espectadores atuais. Mas devemos introduzir algumas expressões e construções que nos ajudem a “viajar no tempo”.
      É claro que pode haver excepções. Um determinado projecto, por exemplo, pode ser interessante exactamente por retratar com absoluta fidelidade um modo específico de falar de uma época ou comunidade. Mas é uma decisão que tem de ser tomada conscientemente dos seus prós e contras.

Deixe a sua opinião ou comentário: