Perguntas & Respostas: como escrever um telefonema

Estou a escrever um guião e tenho dúvidas sobre a melhor forma de descrever um telefonema. — Rui L.

Rui, não sei se a forma que lhe vou descrever é a melhor mas é aquela com que eu me sinto mais confortável e que acho mais prática e flexível.

Consiste em escrever o início do telefonema numa cena, com um dos interlocutores, colocar a transição "INTERCALA COM:" e escrever o resto do telefonema noutra cena, com o outro interlocutor. Em algumas situações podemos terminar o telefonema regressando à cena inicial.

Na prática a forma seria a seguinte:

EXT. RUA – DIA

Maria está junto ao seu carro, já de porta aberta, quando o TELEMÓVEL TOCA.

MARIA

(abrindo a porta)

O que é que se passa? Eu disse-te para não ligares.

INTERCALA COM:

INT. ESCRITÓRIO – DIA

É Peninha quem está a ligar, do seu cubículo igual a todos os outros do imenso escritório. Fala em voz baixa, olhando em redor, nervoso.

PENINHA

Temos de cancelar. Os gajos mudaram o password, hoje já não vai dar.

MARIA

Mas porquê? O que é que aconteceu?

PENINHA

Agora não posso falar. Encontramo-nos mais logo.

Peninha desliga o telefone e encosta-se para trás, respirando fundo.

EXT. RUA – DIA

Maria desliga o telemóvel e bate a porta do carro com violência. Depois apoia os cotovelos na capota e esconde a cara entre as mãos.

Desta forma o leitor do guião percebe perfeitamente que o diálogo está a ser seguido dos dois lados do telefonema, e o assistente de realização sabe que tem de prever a rodagem das duas cenas.

Outra maneira de escrever esta cena seria a seguinte:

EXT. RUA – DIA

Maria está junto ao seu carro, já de porta aberta, quando o TELEMÓVEL TOCA.

MARIA

(abrindo a porta)

O que é que se passa? Eu disse-te para não ligares.

PENINHA (V.O.)

Temos de cancelar. Os gajos mudaram o password, hoje já não vai dar.

MARIA

Mas porquê? O que é que aconteceu?

PENINHA (V.O.)

Agora não posso falar. Encontramo-nos mais logo.

Maria desliga o telemóvel e bate a porta do carro com violência. Depois apoia os cotovelos na capota e esconde a cara entre as mãos.

Neste caso, toda a cena é seguida do ponto de vista de um único protagonista, Maria. Só seria filmada a sua cena, e gravado o som do seu interlocutor.

Uma terceira alternativa seria deste género:

EXT. RUA – DIA

Maria está junto ao seu carro, já de porta aberta, quando o TELEMÓVEL TOCA.

MARIA

(abrindo a porta)

O que é que se passa? Eu disse-te para não ligares.

(pausa)

Mudaram o password!? Mas porquê? O que é que aconteceu?

(pausa)

Falamos logo, então. Mas espero que tenhas uma boa desculpa.

Maria desliga o telemóvel e bate a porta do carro com violência. Depois apoia os cotovelos na capota e esconde a cara entre as mãos.

Neste caso só ouvimos um lado da conversa, e os parênteses (pausa) indicam-nos os tempos de espera enquanto o personagem que estamos a ver ouve o seu interlocutor. Por sua vez, as respostas do nosso personagem dão-nos pistas sobre o teor da conversa. Temos é de ter cuidado para não escrever coisas do género "O quê? Caíste das escadas e agora já não te podes encontrar comigo porque a tua mãe te escondeu as muletas e não te deixa sair de casa?!"

Estes artigos talvez lhe interessem

4 comentários

Deixe a sua opinião ou comentário: