≡ Menu
Filmagens de "O Dez"
o-dez-dia-1-right

Estive ontem na pri­meira noite de fil­ma­gens de “O Dez”, num décor em Lis­boa, na zona dos Anjos. “O Dez” é um con­junto de curtas-​​metragens desen­vol­vido por alguns gui­o­nis­tas por­tu­gue­ses, entre os quais os meus cole­gas das Pro­du­ções Fic­tí­cias Nuno MarklFilipe Homem Fon­seca. Depois de vicis­si­tu­des e meta­mor­fo­ses várias, o pro­jecto che­gou à Sto­pline Fil­mes, onde está a ser pro­du­zido para o Sapo e RTP (coi­sas dos novos tem­pos do audiovisual).

O Dez” explora vários ter­ri­tó­rios do fan­tás­tico, atra­vés das impli­ca­ções maca­bras de um con­junto de dez moe­das roma­nas na vida das pes­soas que se vão cru­zando com elas.  Fui con­vi­dado pelo pro­du­tor Leo­nel Vieira para res­cre­ver estas estó­rias e aca­bei por me envol­ver mais do que isso. Duas das curtas-​​metragens, mais o Pró­logo, são agora estó­rias ori­gi­nais minhas, e as res­tan­tes sofre­ram revi­sões de maior ou menor monta. Algu­mas foram mexi­das ape­nas o sufi­ci­ente para se adap­ta­rem à revi­são do con­ceito do pro­jecto, ou às con­di­ções de pro­du­ção; outras tive­ram trans­for­ma­ções mais impor­tan­tes, a nível dos pró­prios enre­dos. Este tra­ba­lho foi feito em cola­bo­ra­ção com o Paolo Marinou-​​Blanco, que tam­bém vai rea­li­zar a maior parte des­tas curtas.

No entanto, três des­ses fil­mes vão ser rea­li­za­das pelos auto­res das estó­rias, e um deles será a minha curta “O Pre­sente”. Assim, a par­tir da pró­xima terça-​​feira, vou estar sen­tado na cadeira de rea­li­za­dor durante três dias. Ape­sar de já ter rea­li­zado alguns spots publi­ci­tá­rios, e sket­ches humo­rís­ti­cos, esta será a minha estreia em ter­ri­tó­rios de fic­ção. Vou apro­vei­tar a opor­tu­ni­dade para publi­car alguns arti­gos sobre esta expe­ri­ên­cia de pas­sa­gem para o “dark side of the Force” ;-), espe­rando que inte­res­sem aos lei­to­res deste blogue.

Para já, ficam aqui algu­mas foto­gra­fias das fil­ma­gens de ontem que, por acaso, foram da outra curta-​​metragem ori­gi­nal com que con­tri­bui para este pro­jecto. Deixo tam­bém, para quem se inte­resse, o texto da cena correspondente.

 O realizador e o director de fotografia

O rea­li­za­dor Paolo Marinou-​​Blanco e o direc­tor de foto­gra­fia Miguel Sales Lopes.

Figurantes

Alguns figu­ran­tes durante os ensaios.

Nos ensaios

Outro momento dos ensaios.

O actor principal

À direita, o pro­ta­go­nista, o actor José Edu­ardo, tre­mido e irre­co­nhe­cí­vel na sua carac­te­ri­za­ção de sem-​​abrigo.

A actriz principal

Den­tro da car­ri­nha a “anta­go­nista”, a actriz Diana Cas­tro e Silva, dis­tri­bui sopa aos sem-​​abrigo.

Decoração do décor

A deco­ra­ção a trabalhar.

 

FADE IN:

UMA PANELA DE SOPA FUMEGANTE

é mexida por uma con­cha grande, de restauração.

EXT. BECO – NOITE

Uma car­ri­nha branca, amol­gada, já com alguns anos, está esta­ci­o­nada à entrada de um beco. RITA (25), de cami­sola de lã e jeans, ter­mina de encher a malga de alu­mí­nio de BELMIRO (55), um sem-​​abrigo de barba com­prida e roupa suja.

BELMIRO

Obri­ga­dos…

Mais DOIS ou TRÊS sem-​​abrigo fazem fila atrás de Bel­miro. O homem afasta-​​se, trans­por­tando a sopa com cui­dado para o seu lugar no beco, um monte de cai­xas de car­tão aplai­na­das sobre as quais está esten­dido um saco cama que já conhe­ceu melho­res dias.

Outro homem, mais novo mas igual­mente sujo, está sen­tado num col­chão velho ao seu lado. É LUÍS (30), magro e com ar de arru­ma­dor de rua. Tem uma malga vazia no colo e está a brin­car com uma MOEDA ANTIGA – moeda X.

BELMIRO senta-​​se na sua cama e olha para LUÍS enquanto sorve a sopa quente com satis­fa­ção e ruído.

PONTO DE VISTA DE BELMIRO

A moeda é revi­rada nas mãos de Luís.

DE VOLTA À CENA

BELMIRO volta a olhar para a sopa e fala como quem não quer a coisa.

BELMIRO

Está boa, a sopi­nha… É de carne…

LUíS

Soube foi a pouco.

BELMIRO

Hmmm hmmm…

À entrada do beco RITA acaba de ser­vir o último sem-​​abrigo e olha em redor, pro­cu­rando mais. Outro VOLUNTÁRIO vem ajudá-​​la a vol­tar a meter a GRANDE PANELA de alu­mí­nio den­tro da carrinha.

BELMIRO

Essa moeda… onde é que a arranjaste?

LUíS aponta na direc­ção de RITA.

LUíS

Foi ela que me deu.

BELMIRO

A gaja da sopa?

LUÍS sorri.

LUíS

Sim. Quando me encheu o prato deu-​​me a moedinha.

(pausa)

O engra­çado foi o que ela disse…

BELMIRO con­ti­nua a comer a sopa, calado.

LUíS

Não que­res saber o que foi?

BELMIRO

Hmm hmmm…

FLASHBACKEXT. BECO – NOITE

RITA, com a con­cha fume­gante na mão, fala para a câmara.

RITA

Quando qui­se­res dei­xar esta vida, traz-​​me essa moeda de volta.

FIM DO FLASHBACK

Acerca do autor: João Nunes é um autor, guionista e publicitário que divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal. Conta com mais de 3000 páginas de guiões produzidas sob a forma de longas metragens, telefilmes, e dezenas de episódios de séries de televisão.

Artigo Seguinte:

Artigo Anterior:

6 comentários… add one

  • Ivo Brito 12/11/2008, 18:06

    Boa tarde.

    Descobri à algumas semanas este blog, e tenho que lhe dar os Parabéns. Primeiro por este excelente blog, que tenho acompanhado e onde tenho aprendido muito na criação de argumentos, segundo pela sua estreia como realizador, algo que também ambiciono mas que tem sido complicado de concretizar.

    Obrigado por partilhar o seu conhecimento.
    Cumprimentos.

  • Joao Quadros 12/11/2008, 19:19

    Eu, teu ex-colega das produções, também entro nisso.
    um abraço

  • João Nunes 12/11/2008, 19:34

    Ivo,
    obrigado pelos parabéns. A única coisa que lhe posso dizer é para não desistir dos seus sonhos.
    *******
    João,
    entras sim senhor, e com uma das melhores estórias, na minha modesta opinião.

  • Gonçalo 13/11/2008, 17:21

    Gostei muito?Supreendido?Não, porque o Sr.João Nunes, já mostrou ser um talento fora de série…E ajuda que ele dá aqueles que ambicionam ser guionistas,realizadores, é muito bom, eu tenho aprendido muito com ele…
    Obrigado e espero que ele continue, para eu poder melhorar.

  • Joao Quadros 14/11/2008, 4:05

    Sei que vais fazer maravilhas com isso que aí tens.
    um abraço
    JQ

  • Gomes da Quina 23/11/2008, 16:44

    Amigo João
    Desculpe tratá-lo assim com esta intimidade mas quem partilha o que sabe da sua profissão com os outros merece ser tratado com este respeito íntimo.
    de quando em vez vou pedir-lh ajuda nos seus conhecimentos.
    Obrigado

Partilhe aqui as suas ideias e experiência