Perguntas & Respostas: acções simultâneas

Num filme podemos ver uma sequência de imagens que nos mostra/revela que um personagem está num local a fazer uma coisa e ao mesmo tempo outra personagem está a fazer outra coisa noutro local. Como podemos descrever essa sintonia de tempo, com personagens e tarefas diferentes de cada um? — Ana

Cara Ana, a sua pergunta pode a referir-se a duas coisas diferentes. Como não tenho a certeza vou tentar esclarecer ambas.

Uma primeira possibilidade, muito comum, é as duas (ou mais) acções serem apresentadas sequencialmente, intercaladas uma com a outra. Já escrevi sobre uma sequência famosa com essas características neste artigo sobre o clímax do filme O Padrinho. Pode consultá-lo para informação mais detalhada.

Numa situação destas o normal será escrever cada cena normalmente, intercalando-as no guião exatamente na ordem em que deverão ser intercaladas no filme. Para reforçar podemos dar a indicação, entre as cenas, de que estas são intercaladas. Vejamos como:

EXT. ALJUBARROTA – COLINA – DIA

As tropas portuguesas perfilam-se na encosta norte da colina – besteiros e arqueiros à frente, a infantaria postada nas suas costas, a cavalaria nas alas e na retaguarda.

O condestável Nuno Álvares passa-as em revista do alto da sua montada.

INTERCALA COM:

EXT. ALJUBARROTA – ESTRADA – AO MESMO TEMPO

O exército espanhol, em movimento na estrada, começa a contornar a colina, procurando terrenos mais favoráveis para o confronto.

INTERCALA COM:

EXT. ALJUBARROTA – COLINA – DIA

O rei D. João I, ladeado pelos comandantes ingleses e pelo grosso da cavalaria portuguesa,  faz um sinal a um corneteiro, que ergue a trompa e DÁ SINAL.

D. Nuno esporeia a sua montada e lança-se a galope na direcção da vertente sul da colina. Seguindo o plano traçado, todas as tropas portuguesas o acompanham em passo de corrida, com admirável disciplina.

INTERCALA COM:

EXT. ALJUBARROTA – ESTRADA – AO MESMO TEMPO

D. Juan de Castilla, à frente das tropas espanholas, observa com expressão surpresa a manobra inesperada das tropas portuguesas.  Olha o estado-maior francês.

DOM JUAN DE CASTILLA

O que fazem?!

O comandante francês encolhe os ombros, igualmente surpreendido.

Nada de novo aqui. Conforme mudamos de local introduzimos um novo cabeçalho e descrevemos as acções e diálogos correspondentes. A indicação de INTERCALA COM: torna a sequência mais óbvia mas, na realidade, é perfeitamente dispensável.

Imaginando a continuação desta sequência, quando os dois exércitos se encontrassem poderíamos escrever a acção de outra forma, usando cabeçalhos secundários, como foi explicado neste artigo.

EXT. ALJUBARROTA – DIA

A cavalaria francesa lança finalmente a carga tão esperada. O tropel dos cavalos faz-se ouvir, assustador.

NA COLINA SUL

D. Nuno faz sinal e as tropas puxam as cordas estendidas, erguendo as paliçadas de madeira escondidas no chão.

NA ESTRADA

D. Juan faz sinal à infantaria para avançar.

NA COLINA SUL

Os besteiros portugueses e os arqueiros ingleses lançam uma chuva de virotes e setas sobre a carga da cavalaria que se aproxima a grande velocidade.

Os primeiros cavaleiros são derrubados.

(...)

Esta forma de descrever a acção ocupa menos espaço e é mais económica, conferindo um maior ritmo à descrição da acção, que se adequa a uma cena de batalha como esta.

Uma outra situação

A formulação da sua pergunta, contudo, pode também referir-se a outra situação distinta: quando duas acções distintas aparecem simultaneamente no écrã, estando este dividido em duas ou mais partes.

Nesse caso temos de escrever o cabeçalho de uma forma específica, indicando sucessivamente cada uma das localizações e terminando com a indicação de ÉCRÃ DIVIDIDO (split screen). Vejamos como poderia ser uma cena escrita desta forma:

EXT. ALJUBARROTA / INT. CAPELA DO PALÁCIO – ÉCRÃ DIVIDIDO – DIA

D. João I ergue a espada e lança o seu cavalo a galope, iniciando a carga da cavalaria portuguesa sobre o flanco do exército castelhano.

Na capela do palácio, D. Teresa Lourenço, vestida de negro, acende uma vela no altar.

Na colina os cavaleiros portugueses irrompem pelo meio das tropas espanholas, espalhando a confusão.

D. Teresa ajoelha-se face à figura de Cristo, passando nervosamente as contas do terço.

D. João I e os seus cavaleiros juntam-se aos cavaleiros de D. Nuno, dividindo o exército espanhol em dois blocos descoordenados.

(...)

Neste caso, como em tantos outros, o melhor é aplicar o bom senso. Escrever o que queremos que seja visto no écrã, de uma forma simples e clara, que não deixe dúvidas a quem leia. Resumindo:

  • Se queremos que o filme mostre as acções sequencialmente, escrevemo-las sequencialmente no guião.
  • Se queremos que as acções sejam mostradas ao mesmo tempo no écrã dividido, damos essa indicação no cabeçalho.

Um exemplo de ecrã dividido na série 24.

Estes artigos talvez lhe interessem

Deixe a sua opinião ou comentário:

%d bloggers like this: