≡ Menu
Infografismo: a anatomia de um guião
anatomia imagem

Recebo mui­tas ques­tões de lei­to­res sobre os for­ma­tos cor­re­tos para escre­ver um guião (ou roteiro, como se diz no Bra­sil). A maior parte dos pro­ble­mas de for­mato são resol­vi­dos usando um pro­grama pró­prio de escrita de guião, o que eu recomendo.

De qual­quer forma deixo aqui um info­gra­fismo (o pri­meiro do site) com uma ver­são sim­pli­fi­cada des­ses for­ma­tos, adap­tada para as pági­nas A4. Quem usar estas medi­das já não faz figura de amador.

[Atu­a­li­za­ção] Todos os tex­tos do guião devem escri­tos na fonte Cou­rier tama­nho 12. Não caia na ten­ta­ção de usar fon­tes espe­ci­ais ou, pior ainda, mis­tu­rar várias fon­tes, pois isso só vai marcá-​​lo como amador.

Apro­veito ainda para expli­car muito sucin­ta­mente os prin­ci­pais ele­men­tos de um guião (cabe­ça­lhos, des­cri­ções, etc), e a forma ade­quada de apre­sen­tar uma folha de rosto.

Agora é só ter uma ideia e come­çar a escrever.

(Cli­que aqui ou na ima­gem para ver uma ver­são ampliada)

Nota: este info­gra­fismo pode ser repro­du­zido para fins edu­ca­ci­o­nais (não comer­ci­ais) sem neces­si­dade de auto­ri­za­ção pré­via, desde que sejam man­ti­das as indi­ca­ções de auto­ria.

Acerca do autor: João Nunes é um autor, guionista e publicitário que divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal. Conta com mais de 3000 páginas de guiões produzidas sob a forma de longas metragens, telefilmes, e dezenas de episódios de séries de televisão.

13 comentários… add one

  • José Raposo 24/07/2012, 18:07

    Bem, eu tenho umas “coisas” escritas para uma novela, mas depois de ver este exemplo são mesmo amadoras.

    Existe um programa que ajude com isto, ou o WORD é, por exemplo, uma ferramenta que se pode usar?

  • AF 19/12/2012, 12:15

    Excelente! Deu para perceber logo os aspectos mais relevantes num guião.

  • Rosa 03/01/2013, 13:18

    Uma pequena dúvida, se a folha de rosto não se contabiliza, o correto seria iniciar o roteiro com a paginação 1 ?

  • Rosa 03/01/2013, 14:29

    Correção: por favor considere a minha pergunta sobre paginação, nula. No afoito não percebi que esta corretíssimo a numeração das páginas.

    • João Nunes 03/01/2013, 14:37

      ;)

  • Richardson Luz 23/04/2013, 14:28

    Prezado João Nunes, estou gostando de participar do "Frenesi", mas estou com um certo problema. A história que eu queria contar eu consegui contar bem antes de 100 páginas. Na verdade estou inventando algumas cenas que é para ver se chego perto de 100. Por que isso acontece? Como posso solucionar isso? Se eu não atingir as 100 páginas não pretendo enviar o guião.

    • João Nunes 23/04/2013, 15:34

      Olá Richardson,

      Se o seu guião está a ficar curto, isso pode ser consequência de ter escolhido uma estória inadequada, que não tenha consistência suficiente para dar um filme. Mas agora é tarde para mudar isso. O que fazer então?

      Em primeiro lugar, pense em termos de sequências e não de cenas individuais. Se começar a escrever cenas apenas para “encher” isso vai-se notar. É  recurso de novela. No cinema o objetivo deve ser sempre emagrecer o guião o mais possível.

      É mais inteligente criar e encaixar toda uma nova sequência, com princípio, meio e fim. Considere qual o objetivo final do seu protagonista e veja que nova etapa pode ser encaixada no seu percurso. Essa etapa deve ter uma razão de ser, inclui os seus obstáculos e dificuldades próprios, e conduzir naturalmente a uma etapa seguinte.

      Outra possibilidade é desenvolver e incluir uma trama secundária. A maior parte dos guiões têm a trama principal e em paralelo uma trama secundária, muitas vezes amorosa. Se já têm etas duas veja se haverá alguma outra que possa desenvolver. Deverá sempre ter uma relação com a principal, e idealmente oferecer um contraponto ou complemento temático.

      Por exemplo, em “Anna Karenina”, que assisti há pouco, há a trama principal, do amor louco entre a protagonista e um jovem oficial, com todas as suas consequências no seu casamento e aceitação social. E há outras três tramas secundárias, que oferecem diferentes perspectivas sobre o mesmo tema do amor: a do irmão de Anna, que não consegue manter-se fiel à mulher, que acaba por aceitar; um amigo do irmão, que se mantém fiel e dedicado a uma paixão distante, até conseguir conquistá-la; e o irmão anarquista deste último, que ama e é amado por uma mulher excluída da sociedade.

      Uma última possibilidade é desenvolver uma outra estória completamente diferente e entrelaçá-la com a sua estória original, à la “Pulp Fiction” ou “Babel”. O “Pulp Fiction”, por exemplo, é uma combinação de três ou quatro estórias diferentes, cada uma delas curta demais para dar um filme, que partilham entre si alguns personagens. Já em “Babel” a ligação entre as estórias é apenas temática: a solidão.

      Talvez nenhuma destas soluções seja ideal, mas quem sabe possam até servir para dar novo alento à sua estória.

       

  • António F. Afonso 23/04/2013, 16:27

    Gostaria de questionar um ponto da imagem. Junto aos personagens estão os segundos (ex: 20's). 

     

    Quero saber se esta indicação é corrente. Ou seja, eu posso descrever um local e decidir que a personagem só entra "em cena" 30 segundos depois? 

     

    Obrigado. 

    • João Nunes 23/04/2013, 18:45

      António, acho que entendeu mal a imagem. O número entre parênteses ao lado do nome dos personagens não se refere a segundos, mas é uma indicação da sua idade aproximada. Por exemplo (50′s) quer dizer (cinquentas) – ou seja, tem mais ou menos cinquenta anos. É uma forma convencional de apresentar a idade nos guiões, mas percebo que possa ser mal interpretada.

      Desculpe a confusão.

      Quanto à sua questão: não podemos dar indicações tão precisas. O ritmo da entrada de um personagem, em última instância, será decidido pelo realizador, ator, montador, etc. Quando muito podemos dizer algo como:

      A sala está vazia. É um espaço amplo e de aspecto misterioso. Ao fim de um longo momento, Francisco entra, olhando em redor.

      • A.F.A. 23/04/2013, 19:45

        Sim, faz todo o sentido. Realmente, fiz confusão. Obrigado. 

  • Pedro Ribeiro 24/04/2013, 8:47

    Boa tarde João,

    Tenho só uma questão rápida, para o concurso, falou em 100 páginas, mas presumo que seja um valor de referência, entre 90 a 120 por ser uma longa metragem, certo? Ou seja, se acabar entre 105/110 haverá problema? É que eu planeei para 100, mas depois acrescentei mais uma ou duas cenas necessárias e a coisa cresceu um bocado acima do que esperava, penso que seja o preço da 1ª vez :)

    Cpts.

    • João Nunes 24/04/2013, 9:17

      No ScriptFrenzy 100 páginas era o mínimo. Podia ser acima disso, obviamente, mas nunca abaixo.

      No FenesiDeEscrita somos mais generosos: um guião com 90 páginas ou mais já será aceite, porque isso são números aceitáveis na realidade do cinema.

      De qualquer forma, há truques para reduzir um pouco a dimensão dos guiões, sem fazer batota com a formatação.

      Por exemplo, eliminando a maior parte das Transições (CORTA PARA:, FUNDE PARA:, etc.) consegue-se por vezes poupar uma ou duas páginas.

      Mas a forma mais eficaz é procurar todos os parágrafos de Ação em que a última linha tem só uma ou duas palavras. Se reescrevermos esses parágrafos de forma a eliminar algumas palavras poupamos uma linha em cada um. Essa poupança é cumulativa, porque por vezes faz com que parágrafos inteiros mudem de página. Dessa forma conseguem-se poupanças significativas.

      O que nunca devemos fazer é mexer nas regras de formato: diminuir o corpo de letra (tem de ser um Courier 12) e margens dos elementos. Isso é “batota”.

Deixe o seu comentário