Os dez mandamentos para escrever um filme

Joseph McBride é um veterano com muitos anos de experiência e muitos prémios nas prateleiras. Por isso quando ele resolve dar alguns conselhos sobre como escrever um filme, é bom prestar atenção.

Alguns deles já apareceram, sob esta forma ou outra, aqui no blogue, mas nunca faz mal repetir:

  1. Nunca escreva o que não pode ser visto ou ouvido – o guião vai ser convertido em imagens e sons num filme. O que não possa ser convertido, não cabe no guião.
  2. Não escreva o que os personagens estão a pensar, sentir ou recordar, a não ser que haja uma maneira de o mostrar – é uma declinação óbvia e importante da dica nº1.
  3. Não escreva diálogo a mais.
  4. Não escreva diálogo a menos – o equilíbro nem sempre é fácil de alcançar.
  5. Mantenha as cenas curtas (em geral)
  6. Não mostre tudo o que acontece na estória – ou, como li noutro lugar, escreva as cenas como se estivesse a entrar numa casa em chamas: entre a correr, apanhe só as coisas mais preciosas, e saia logo que puder.
  7. Aproveite as convenções específicas da forma de escrever os argumentos – cabeçalhos, parênteses, transições, etc.
  8. Clareza! – e brevidade.
  9. Escreva em bom português – um guião pode não ser literatura, mas não quer dizer que tenha de ser mal escrito.
  10. Não escreva épicos a não ser que tenha sido contratado pelo Spielberg ou pelo Scorcese – antes de ler um guião os produtores sopesam-no. Se for pesado de mais (grande demais) já cria anticorpos.

Pode ler o artigo completo aqui.

Estes artigos talvez lhe interessem

Um comentário

Deixe a sua opinião ou comentário:

%d bloggers like this: