≡ Menu
Alguns exemplos de guiões escritos à mão
manuscritos destaque

O site Fla­vorWire publi­cou uma curi­osa reco­lha de ima­gens de guiões escri­tos à mão. Já vimos aqui antes que há gui­o­nis­tas de renome, como Quen­tin Taran­tino, que pre­fe­rem escre­ver as pri­mei­ras ver­sões dos seus guiões desta forma. Natu­ral­mente Taran­tino é um dos que estão repre­sen­ta­dos nesta pequena mos­tra, com uma página duma rees­crita não cre­di­tada que ele fez para o fra­cas­sado filme It’s Pat.

Manuscrito Tarantino

Tam­bém já escrevi um artigo sobre guiões escri­tos à mão em res­posta a um lei­tor. Reca­pi­tu­lando os pon­tos desse artigo:

  • é pos­sí­vel escre­ver um guião à mão
  • con­tudo, fica mais difí­cil ajui­zar a sua dimen­são real dessa forma
  • e, de qual­quer maneira, em alguma fase o guião terá de ser con­ver­tido para um for­mato digital.

Tendo isto em aten­ção, qual­quer deci­são sobre escre­ver um guião com papel e lápis só poderá justificar-​​se por razões sub­je­ti­vas – as mais váli­das de todas, quando se trata de pro­ces­sos cri­a­ti­vos. Se essa é a sua von­tade, força com isso.

Pes­so­al­mente, não tenho qual­quer inte­resse em expe­ri­men­tar. Acho que os softwa­res de escrita de guião têm tan­tas van­ta­gens que a poe­sia do papel, por muito fas­ci­nante que seja, não com­pensa o esforço adicional.

Já nas fases ini­ci­ais do pla­ne­a­mento do guião, pelo con­trá­rio, ainda não encon­trei um soft­ware que subs­ti­tua com van­ta­gem um bloco de notas e uma caneta. Enquanto as ideias ainda são uma massa mais ou menos informe, que pro­cura organizar-​​se, o papel ofe­rece mui­tas vantagens.

De qual­quer forma, como os arti­gos da série É assim que eu escrevo (por exem­plo, este, esteeste) demons­tram, cada autor tem o seu método e pre­fe­rên­cias. É sem­pre válido o que fun­ci­ona para cada um.

Por isso, se tem a fan­ta­sia de escre­ver um guião à mão, veja como auto­res tão notá­veis como Taran­tino ou Paul Sch­ra­der o fize­ram.

Isto se con­se­guir ler as letras deles…

Acerca do autor: João Nunes é um autor, guionista e publicitário que divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal. Conta com mais de 3000 páginas de guiões produzidas sob a forma de longas metragens, telefilmes, e dezenas de episódios de séries de televisão.

1 comentário… add one

  • João Ramos 16/05/2013, 20:38

    Concordo quando diz que os softwares de escritas têm bastantes mais vantagens do que escrever à mão, nomeadamente uma poupança de tempo precioso. Quando temos um prazo curto de tempo para escrever é essencial o uso de software, eu fui um dos participantes do frenesim de escrita promovido pelo João Nunes e se o tivesse escrito em papel jamais teria terminado dentro do prazo. Contudo já escrevi à mão e encontrei uma grande vantagem, quando estou a transcrever o que está no papel para o computador estou a fazer a primeira reescrita automaticamente e altero de imediato bastantes pontos do guião que na altura que escrevi pareciam bons mas que ao reescrever no software têm algum problema. Prefiro escrever no computador mas também sou adepto da escrita em papel, por vezes não existe é tempo!

    Abraço!

Partilhe aqui as suas ideias e experiência