Perguntas & Respostas: como se escreve um diálogo paralelo

Como escrever um bloco de diálogo paralelo, em que dois personagens falam em simultâneo?

O formato normal de um diálogo é o seguinte:

JOÃO

O que é que queres fazer?

MARIA

Não sei, diz-me tu.

JOÃO

Não, dá lá uma ideia.

MARIA

Eu disse primeiro...

Para 99% das situações de escrita esta solução é suficiente e correcta. Cada personagem fala na sua vez, numa sequência natural e familiar.

Mas há situações em que, por algum motivo, os diálogos de dois personagens se devem sobrepor. Pode ser, por exemplo, para enfatizar a sua proximidade ou, pelo contrário, criar embaraço; ou quando ambos reagem em simultâneo a uma mesma situação.

Como fazer então nos casos em que queremos que ambos os personagens falem ao mesmo tempo? O formato tradicional do guião não parece indicado para isso.

Uma primeira solução, simples e eficaz, é indicar a sobreposição dos diálogos na descrição da acção, como se pode ver a seguir.

João e Maria falam ao mesmo tempo.

JOÃO

O que é que queres fazer?

MARIA

Onde é que vamos?

Os dois calam-se, atrapalhados.

Esta solução resolve o problema e está correcta. Na maior parte dos casos servirá perfeitamente para que os leitores do guião entendam a situação.

Mas o formato normalizado dos guiões já prevê uma solução específica para este problema: o diálogo paralelo (dual dialogue, em inglês). O seu aspecto é o seguinte:

dual dialogue

Como se pode ver, os nomes dos dois personagens que falam ficam na mesma linha, afastados do centro, e os seus diálogos nas linhas seguintes, num bloco mais estreito que o normal.

Nem todos os programas de escrita de guião prevêem esta formatação específica, o que pode atrapalhar se a quisermos adoptar. O Final Draft, que usei no exemplo anterior, oferece-nos essa opção, como se pode ver a seguir.

final draft dual dialogue

A linguagem Fountain também inclui de raiz uma sintaxe para diálogo paralelo: basta acrescentar um acento circunflexo ao nome do segundo personagem a falar, que os dois últimos diálogos são identificados como paralelos. Assim sendo, os programas como o Highland ou o Slugline que usam Fountain como matriz também reconhecem o diálogo paralelo.

Por exemplo, no Highland escreveríamos os dois diálogos assim:

Dual Dialogue Highland

e o resultado final ao imprimir ou exportar o guião seria o seguinte:

Preview dual dialogue

Finalmente, o programa WriterDuet, online e gratuito, também oferece o diálogo paralelo. É mais uma das razões que o tornam uma excelente opção para novos guionistas. O seu aspecto é o seguinte:

dual dialogue WriterDuet

Já outros programas muito populares, como o CeltX, o Trelby ou mesmo o Scrivener, não incluem esta opção de formatação.

Um exemplo real

Um exemplo real do seu uso é o que apresento a seguir, retirado do guião de When Harry met Sally, de Nora Ephron. A cena, genial, é ainda mais interessante por se tratar de um diálogo telefónico entre dois pares de amigos (Harry e Jess, e Sally e Marie), narrado num ecrã tripartido. Harry e Sally, separados, fazem a mesma confissão, ao mesmo tempo, pelo telefone, e Jess e Marie, que estão juntos na cama, comentam-na em simultâneo. O resultado é hilariante, e um excelente uso dos diálogos paralelos.

when harr met sally dual dialogue 2

Não liguem às numerações. Esta imagem é retirada de uma página do guião real, e são notas de produção. O diálogo paralelo, duplo neste caso, vem depois da quebra de página.

A cena filmada ficou assim:

Conclusão

A utilização de diálogos paralelos é mais uma ferramenta na caixa do guionista, que deve aprender a usá-la corretamente.

Mas não se deixe entusiasmar com ela: os realizadores e editores, de forma geral, não gostam que os personagens falem em simultâneo, porque isso cria uma série de dificuldades técnicas no momento da rodagem, e complicam a montagem no momento da edição.

Se abusar desnecessariamente desse recurso vai ser provavelmente ignorado. Use-o pois com moderação, e apenas quando acrescentar alguma coisa à cena, como vimos no exemplo acima.

Estes artigos talvez lhe interessem

Um comentário

  • Miguel 22/07/2015   Deixe uma resposta a →

    Olá!
    Gostava de lhe pedir que falasse com o António Barreira, Sandra Santos, Rui Vilhena, Pedro Lopes e Maria João Mira a disponibilizarem guiãos das suas tramas! Era bom, pois facilmente se encontra as tramas deles na internet e sempre pudemos ler e assistir e estudar um pouco novas maneiras de escrever.
    Até mesmo voocê puder disponibilizar mais um episódio do “Inspetor Max” ou de outra obra de ficção que tenha feito.
    Era ótimo para o seu blogue. Precisamos de novos recursos portugueses de autores portugueses! E como sabe o que é nacional é sempre bom :).
    Gostava muito, Obrigado!

Deixe a sua opinião ou comentário: