O Cônsul de Bordéus

Edição especial de “O Cônsul de Bordéus”

Saiu a Edição Especial do filme O Cônsul de Bordéus. Além do filme em DVD e a banda sonora em CD, inclui um livro com informações sobre Aristides de Sousa Mendes, a produção do filme e, motivo de orgulho especial para mim, a edição integral em fac-símile do guião de rodagem.

O Cônsul de Bordéus é um filme pelo qual nutro um particular carinho. O tema é-me muito caro, o guião deu-me muito gosto a escrever, e o resultado final foi muito positivo. E ainda me valeu uma nomeação na categoria de melhor argumento original, partilhada com o co-autor António Torrado, na 1ª edição dos Prémios Sophia.

Quem não tenha possibilidade de aceder a esta edição especial de O Cônsul de Bordéus pode sempre baixar o guião aqui: O Cônsul de Bordéus (901) Para abrir o apetite, termino com esta cena.

INT. RESTAURANTE – NOITE

Francisco de Almeida interrompe a sua narração para tomar mais um golo de vinho. Alexandra observa-o com admiração.

ALEXANDRA

Então – o maestro estava presente quando Aristides de Sousa Mendes tomou essa decisão?

FRANCISCO DE ALMEIDA

Acredite se quiser. Um garoto de catorze anos, sem saber que a minha vida estava nas mãos daquele homem, um pouco estranho, mas simpático.

(curioso)

Já tinha ouvido falar nele?

ALEXANDRA

Sim – mas nunca desta forma, na primeira pessoa.

FRANCISCO DE ALMEIDA

Foi um herói, sabe?

Francisco de Almeida retira do bolso uma carteira de pele elegante. Extrai lá de dentro um documento muito antigo, dobrado em quatro, e desdobra-o com extremo cuidado. Estende-o a Alexandra, que o recebe quase com reverência.

FRANCISCO DE ALMEIDA

Aí tem – o meu visto.

(pausa)

Um dos trinta mil vistos que ele emitiu nesse mês de junho de 1940.

Estes artigos talvez lhe interessem

3 comentários

  • Gran trabajo realizado para honrar la memoria de Arístides De Sousa Mendes,desde Buenos Aires le hago llegar mi admiración y agradecimiento.

    • Muito obrigado. Foi um prazer e uma honra ter participado neste projecto. Fico feliz por os seus ecos terem chegado a Buenos Aires, cidade que sonho conhecer um dia.

  • É filmado en Buenos Aires um documentario sobre a vida de Aristides de Sousa Mendes.
    Arte&Cultura 15.10.16

    “Aristides era um homem como qualquer outro simplesmente que num desses cruzamentos que nos sabe pôr a vida não reagiu como a maioria” começa-nos dizendo Victor Lopes,um argentino com nacionalidade portuguesa que confessa “assim como alguns portugueses me dão vergonha e pelo qual peço desculpa ao mundo inteiro, há também outros, como Aristides de Sousa Mendes que é o orgulho de um Portugal moderno e vigoroso que respeita os direitos humanos e rejeita qualquer tipo de autoritarismo e ditadura”.
    Sousa Mendes é um dos quatro portugueses declarado “Justo entre as nações” por ter salvado milhares de pessoas perseguidas pelos nazis durante o holocausto, enquanto os argentinos filmam o documentário na cidade de Buenos Aires, o Presidente de Portugal Marcelo Rebelo de Sousa anuncia em Nova Iorque que vai condecorar a Aristides de Sousa Mendes com a “Grande Cruz da Ordem da Liberdade” e reconhece que “hoje lhe devemos a Aristides muito mais do que sabiamos até agora”.

    “Não se é Santo por ser elegido pelos Deuses, senão que, se é elegido pelos Deuses por ser Santo”. Repete Victor Lopes para significar a obra humanitária do Cônsul de Portugal em Burdeus que assinou 30000 visas em apenas sete dias desobedecendo ao ditador luso António de Oliveira Salazar, quando os nazis invadian França nos cruéis tempos de 1940, “Para Aristides tinha sido fácil desocupar com o exército ou a policia os jardins da Embaixada que nesse momento encheram-se de homens, mulheres e crianças perseguidos procurando un salvoconduto que os levara ao porto de Lisboa sem embargo Aristides não o fez….Sousa Mendes não chamou as tropas alemãs…. o que eu faria?….o que farias tu? o que fariam os nossos atuais Embaixadores de Portugal ao redor do mundo?”.

    É o eterno conflito gerado entre ” o dever e a conciência que não sempre se põem de acordo” diz Lopes, enquanto nos faz lembrar daquele soldado da obra de Javier Cercas que pudendo matar a um Sanchez Mazas indefeso decidiu não o fazer durante a tragédia da Guerra Civil Espanhola

    Portugal teve uma ditadura de mais de quarenta anos e desembaraçar a trama de complicidades com centos, milhares de profissionais e lideres formados na intolerância vai levar muito tempo como sabe suceder nos países que sofrimos os regimes autoritários apesar do esforço e a boa vontade que os atuais dirigentes e novas gerações democráticas realizam.

    Levar ao ecrã do público americano a história de Sousa Mendes é um dos objetivos do realizador com uma equipe formada nas universidades Argentinas de cinema baixo a atenta olhada de Paula Fossatti e Ramiro Klement, junto aos atores Melissa Zwanck y Nahuel Vec, Lopes vai aportar “o seu grãozinho de areia” aos que já vêm realizando faz muito tempo em diversos lugares do mundo, familiares, amigos e ferventes seguidores da causa Sousa Mendes.

    A estréia do documentário “Aristides um homem bom” está previsto para o fim do ano e se realizará no marco do Festival Internacional dos Direitos Humanos., embora Victor Lopes reconhece que pouco a pouco irá respondendo âs convocatórias que a diário lhe chegam já que a proposta causou boa recepção por tratar-se duma história práticamente desconhecida e que ainda desperta certa polémica nos setores mais conservadores da sociedade portuguesa.

Deixe a sua opinião ou comentário:

%d bloggers like this: