Últimas vagas para o workshop de Escrita para Cinema com Tiago Santos

Ainda há vagas para o workshop de Escrita para Cinema que o argumentista Tiago Santos (A Bela e o Paparazzo, Os Gatos não têm Vertigens) vai dar na escola ACT, em Lisboa.

Se há workshop introdutório de escrita de guião que eu posso recomendar sem hesitações, é este. Além de ser um grande argumentista, o Tiago é um excelente professor, com muita experiência.

Se quer uma introdução à escrita para cinema, a começar em breve, inscreva-se aqui.

  • Sextas das 19h00 às 23h00
  • Total: 20 horas
  • Custo: 160€

Objectivos

Este workshop pretende oferecer, através de análise de filmes, muitos trabalhos práticos e vários conceitos teóricos, as competências necessárias para a escrita de uma longa-metragem assim com a capacidade de análise ou construção de qualquer texto cinematográfico ou televisivo.

Formador: Tiago R. Santos

É argumentista, escritor e crítico de cinema. Nasceu em 1976 e, depois de uma curta carreira como jornalista, iniciou o seu trabalho de argumentista em 2007, com “Call Girl”. Escreveu “A Bela e o Paparazzo” e “Os Gatos Não Têm Vertigens” – projecto com o qual ganhou os prémios Sophia, da Academia de Cinema Portuguesa, e Autor, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores – e trabalhou em séries como “Liberdade 21”, “Conta-me como Foi” e “Filhos do Rock” (entre outras).

É o autor da nova versão do argumento de “O Leão da Estrela”, remake realizado por Leonel Vieira, e de “Amor Impossível”, de António-Pedro Vasconcelos, filmes que estrearam em 2015 – este último nomeado para 17 Prémios Sophia, incluíndo Melhor Argumento.

Em 2013 publicou o seu primeiro romance: “A Velocidade dos Objectos Metálicos”, pelo editora Clube do Autor. Actualmente, é crítico de cinema para o suplemento GPS, da Revista Sábado.

Escreveu e realizou “Vícios Para Uma Família Feliz”, curta-metragem finalizada em final de Fevereiro de 2016 e que foi seleccionada para a Competição Oficial do Huesca Internacional Film Festival, Caminhos do Cinema Português 2016, Madeira Film Festival e presente Cannes Short Film Corner.

Co-adaptou – em conjunto com David Machado, o autor do romance – o “Índice Médio da Felicidade”, projecto realizado por Joaquim Leitão e com data de estreia prevista para 2017 e “Perdidos”, longa-metragem de Sérgio Graciano.

Estes artigos talvez lhe interessem

Deixe a sua opinião ou comentário: