Brasil

Passei o fim de ano com os meus filhos, em Búzios. Para eles foi uma experiência inédita, essa coisa de Natal com sol, praia e mar, em jeito de verão roubado ao inverno que por esses dias atormentava Portugal. Inédita, inesquecí­vel e, creio, viciante – já começaram a falar da próxima viagem ao Brasil e […]

Continue a Ler

Primeiras Pessoas

Meu pai me chama Quim. Minha mãe Quim também. Meus amigos assim mesmo. Mas meu nome de veras é Filhomeu Botaquim. Nome mais estranho que quaisquer estranhamentes que você já tenha ouvido. Perguntei ao kota meu pai a razão de tal coisa, que mal lhe fizera eu, acabado de nascer, para merecer palavrão assim que […]

Continue a Ler

Independência

Dia 11 foi o Dia da Independência. Trinta anos dela, para sermos mais precisos. Há três décadas exactas António Agostinho Neto proclamava Angola como paí­s, no largo 1º de Maio, aqui perto da agência, rodeado por populares entusiásticos de catanas erguidas, registados em granulosas imagens de 16 mm que a TPA repetiu até í  exaustão. […]

Continue a Ler

Idiosincrasias Idiomáticas II

Outra caracterí­stica linguí­stica dos angolanos: o amor pelas palavras caras. "Paulatinamente", por exemplo, ouve-se dia sim, dia sim, em discursos de ministros e conversas de café. Até eu já tive o gozo de enfiar essa palavra num texto, usando-a pela primeira vez em quase quarenta anos de escrita. Este gosto por um vocabulário, digamos, "kitado" […]

Continue a Ler

Idiosincrasias Idiomáticas

O português que se fala em Angola tem um sabor especial que o distingue quer do de Portugal quer do brasileiro. O sotaque, claro, é o primeiro indicador dessa diferença. Mas há também o vocabulário particular, muito do qual até já fez a transição para a lí­ngua corrente em Portugal: kota, liamba, ganza, bué são […]

Continue a Ler

Sofrimento

Hoje sofri duas vezes e duas vezes fui recompensado. Angola e Portugal foram ambos apurados para a fase final do Mundial, depois de jogos algo decepcionantes e que me deram cabo das unhas. Mas valeu a pena o sofrimento. Para o ano que vem vou ter três equipas por quem torcer (contando também com o […]

Continue a Ler

Whiskizofrenia

Simples. Com gelo. Com água. Com soda. Com coca-cola. Puro. Em copo alto. Curto. Balão. Shot. Saqueta de plástico. Duplo. Triplo. Novo. Velho. Velhí­ssimo. Três anos. Cinco anos. Doze. Quinze. Dezoito. Vinte e um. Depressa. Single malte. Escocês. Irlandês. Japonês. Bourbon. Kentucky bourbon. Canadian bourbon. Marado?

Continue a Ler

Diálogo

Já foi atendido? Não. O que deseja? Quero levantar o meu cartão MultiCaixa. Preciso do seu bilhete de identidade e do número da conta. Já dei í  sua colega. (pausa) Então… já foi atendido… (pausa) Já. (pausa seguida de suspiro)

Continue a Ler

Abba

Na iTunes MusicStore portuguesa (não verifiquei as outras) os ABBA aparecem na secíão alternative. O que é que se segue – Ví­tor Espadinha em new age? Wagner em easy listening? Cesária Évora em kayokyoku? Não costumo discutir critérios mas, ó meus amigos – tem de haver algum bom senso. A propósito, o que é kayokyoku?

Continue a Ler

R.I.P.E.

Os que desistiram Os que se perderam Os que foram abandonados Enxovalhados Traí­dos Os que se esqueceram Dos sonhos que um dia tiveram Dos sonhos que ainda queriam ter Os que procuram conforto nos lugares errados Os sós Os tristes Os desesperados Que a morte lhes traga o repouso Que em vida já não tinham […]

Continue a Ler

Sharon

Há três meses atrás não nos atreverí­amos a isso, mas na viagem da próxima semana decidimos arriscar: desta vez não vamos levar a Sharon connosco para Portugal. A Sharon é a nossa cadela tekkel, e é incrivelmente medrosa. Nos primeiros tempos que vivemos aqui em Angola era preciso arrastá-la para sair até í  varanda do […]

Continue a Ler

BBC Food

Não sei se isto pode ter segundas leituras de âmbito psicanalí­tico, mas o meu canal televisivo favorito neste momento é a BBC Food. São 16 horas diárias de programas sobre comida; dezenas e dezenas de receitas, cada qual mais apetitosa do que a anterior; e uma deliciosa (a palavra aplica-se aqui particularmente bem) colecíão de […]

Continue a Ler

Campismo Selvagem

Olhando para o meu jeep atolado na lama, numa praia quase deserta, sob o olhar curioso de dois miúditos negros, tive um ligeiro momento de dúvida: “Será que fui mesmo feito para o campismo selvagem?” Tí­nhamos acabado de chegar a Cabo Ledo, onde í­amos estrear uma tenda e um saco-cama comprados nos saldos da SportZone, […]

Continue a Ler

FILDA

O meio do ano empresarial em Angola é marcado pela FILDA – a Feira Industrial. Para nós, na agência, há o “a.F” e o “d.F” – antes e depois da FILDA. Visitei-a na sexta feira, para saber que coisa rara é essa que tanto trabalho e preocupaíões me deu nas últimas semanas. Citando Shakespeare, “much […]

Continue a Ler

Fortaleza

Visitei finalmente a Fortaleza. É um lugar único, que merecerá uma segunda visita, com a máquina fotográfica. A construíão, que eu imagino que seja do século XVI ou XVII, ergue-se í  entrada da ilha, dominando com altivez a baí­a de Luanda. Hoje está a funcionar como uma espécie de museu militar ou, mais precisamente, como […]

Continue a Ler

Taliban

A Lu trouxe com ela fotografias recentes dos meus filhos. Numa delas o Tomás está com aquele olhar malandro que o caracteriza, e a cabeía enrolada numa gaze. Partiu-a na escola, em circunstâncias mal esclarecidas, e teve de levar três pontos. O Frederico, com aquela simpatia tão caracterí­stica entre irmãos, alcunhou-o logo de “taliban”. Mas […]

Continue a Ler

De Volta í  Vida

A Lu chegou ontem. Depois de mais de um mês longe um do outro, revimo-nos com a alegria que seria de esperar. Ela, cansadí­ssima da longa viagem, da longuí­ssima fila dos serviíos de fronteiras, das chatas burocracias da chegada; eu, irritado com um polí­cia que quis extorquir-me dinheiro aproveitando uma legislaíão recente (que eu nem […]

Continue a Ler

Pronto-socorro

O arroz de marisco estava servido no prato, fumegante, rico em lagosta, camarão e choco. Cheirava. De garfo e faca na mão, varado de fome, lancei um olhar em redor antes de me atirar à tarefa. Um homem caminhava para a casa de banho, alguns metros à minha direita. Mal reparei nele, até ao momento […]

Continue a Ler

Gráfica

Ontem ao fim do dia fui a um pequeno evento organizado no Baí­a Bar Lounge – um encontro entre profissionais de comunicaíão, destinado a dar-nos oportunidade de nos conhecermos uns aos outros. Estava estourado, pois tinha feito uma directa nessa noite a terminar um trabalho para um cliente. Só tinha saí­do da agência depois do […]

Continue a Ler

Noitada

São três e vinte e cinco da manhã e estou na agência a bumbar, como se diz por aqui. Ou melhor, estou í  espera que o A. acabe de bumbar, para poder rever o trabalho dele e ir dormir. Os meus olhos parecem duas bolas de futebol depois de uma peladinha num campo da 3ª […]

Continue a Ler