A Selva

Hoje vi “A Selva” no Lusomundo Gallery. “A Selva”, ou o que restou dela, depois de um corte e recorte “selvático” (perdoem-me o trocadilho). Não sei quantos minutos retiraram a esta versão televisiva, mas o que sobrou tem tantos buracos narrativos, tantos saltos, tantas falhas e incoerências que mal se mantém de pé. Se se […]

Continue a Ler

Natchamba

Na missa de hoje, na Sagrada Famí­lia, o padre enriqueceu a homilia com uma história tradicional sobre a ingratidão. Reza assim: Havia uma macaca chamada Natchamba que vivia perto de uma aldeia. Ora na aldeia houve um casamento. O jovem casal comeíou a vida em comum e, pouco depois, já tinha um bebé. Para garantir […]

Continue a Ler

Festa com Figo

Sexta feira à noite houve festa. O Tiago, um colega de trabalho, estreou-se como organizador de eventos e promotor de festas aqui em Luanda. E a estreia foi promissora – mais de mil pessoas encheram o antigo Cine Loanda, actual Luanda Eventos, e dançaram até às seis da manhã. Até o Luis Figo, que estava […]

Continue a Ler

Pilas

Um hábito desagradável que os angolanos (ou, pelo menos, os luandenses) têm é o de urinar para onde estão virados. Quando a necessidade aperta, independentemente de onde estão ou de que horas sejam, sacam do instrumento e aliviam-se. É verdade que todos nós, num momento de pressão e desespero, já fizemos isto – de algum […]

Continue a Ler

Kalulu

A minha cozinheira Domingas presenteou-me hoje com um prato típico angolano: o kalulu de carne seca. O G., um colega brasileiro, almoçou comigo e pode confirmar que o resultado foi excelente. Aqui fica a receita: De véspera deixa-se a carne seca de molho em bastante água. Na altura de cozer troca-se a água e põe-se […]

Continue a Ler

Update Marburg

Do site da Nexus, que está sempre mais ou menos actualizado, as últimas notí­cias sobre a epidemia de febre hemorrágica: As autoridades sanitárias angolanas não registaram nenhum caso novo de febre hemorrágica provocada pelo ví­rus de Marburg nos últimos dois dias, o que aconteceu pela primeira vez desde que a epidemia foi declarada em Angola, […]

Continue a Ler

Cacimbo

Estamos na época mais fria do ano – fria e seca – a que aqui se chama o “cacimbo”. Um seguranía a quem perguntei se a temperatura ainda iria baixar mais garantiu-me que o dia 25 de Junho iria ser o mais frio do ano. í€ parte este excesso de rigor metereológico parece que sim, […]

Continue a Ler

Dodó Miranda

Na terça-feira passada arranjei um convite para assistir a um concerto no Hotel Trópico organizado pela Embaixada da Noruega no âmbito do programa de comemorações do centenário da independência do paí­s. Aqui em Luanda estas ocasiões são para agarrar com quantas mãos se tiver ao pé (parafraseando um célebre comentador desportivo), pois os eventos culturais […]

Continue a Ler

Chineses

Angola está cheia de chineses, mas passam despercebidos. Estão cá em virtude de uma linha de crédito de não sei quantos biliões de dólares que o governo chinês abriu a Angola, tendo como contrapartidas a adjudicaíão de muitos trabalhos na construíão e obras públicas a empresas chinesas. Com elas vieram muitos – não faío ideia […]

Continue a Ler

Cambistas

Uma das “profissões” tí­picas aqui de Luanda são as cambistas, ou kinguilas. Digo “as” porque, curiosamente, a maior parte dos envolvidos no mercado negro de dinheiro são mulheres. Costumo vê-las sentadas pela cidade, junto aos mercados, perto das lojas, abanando vigorosamente os molhos de notas como leques, para afastar o calor e atrair clientes. O […]

Continue a Ler

Prémio

A agência recebeu um bronze no Festival de Espinho, dedicado í  publicidade em lí­ngua portuguesa. É o primeiro da agência e, se não me engano, de qualquer agência angolana. Ainda não consegui falar com o C., que está em Portugal a representar-nos no Festival, mas está seguramente satisfeito com o prémio, até porque a direcíão […]

Continue a Ler

Memórias Revolucionárias

Todos os dias, a caminho da agência, contorno o Hospital Militar. As suas paredes estão cobertas com pinturas murais do tempo da independência. Frases como “Alfabetizar é um dever revolucionário” e imagens do presidente Agostinho Neto de ameaíadora catana erguida no ar recordam-nos que Angola saí­u há relativamente pouco tempo de um regime marxista-leninista. Amigos […]

Continue a Ler

Vou Ser Tio

Hoje tinha na minha caixa de email uma das melhores notí­cias de sempre: o meu irmão Ruca vai ser pai pela primeira vez (o que significa que eu vou ser tio pela segunda). Fiquei feliz para além de todas as expectativas; talvez pelo inesperado da notí­cia; talvez por ser o meu irmão mais novo; talvez […]

Continue a Ler

Festa em Luanda

Nunca pensei que houvesse tantos benfiquistas em Luanda. São 22:30, o SLB já é campeão 2004/2005 há uma hora e as ruas ainda estão cheias de carros, de motas, de gente apeada correndo de um lado para o outro com os seus cachecóis, as suas bandeiras, as suas camisolas do glorioso.

Continue a Ler

Equador 2

Uma pequena citaíão do livro de Miguel Sousa Tavares:E era tudo: a Pátria, o seu mundo, toda a sua vida, foram ficando lentamente para trás, enquanto o Zaire se afastava do cais, na Doca da Fundiíão, manobrando para evitar as areias do Bugio, e Lisboa se ia reduzindo a um ponto cada vez mais insignificante no horizonte…. Uma brisa fria do mar de largo provocou-lhe um súbito arrepio e recolheu-se ao camarote, onde o esperava uma bateria completa dos jornais da manhã.

Continue a Ler

Equador

O tal livro que toda a gente comenta que daria um grandioso filme épico português, ou uma excelente mini-série ao jeito das saudosas “jóias da coroa” da BBC, houvesse no nosso paí­s dinheiro e know-how para o adaptar.Dinheiro, é improvável que cheguemos lá com um mí­nimo de dignidade; a amplitude da história, a diversidade geográfica – Lisboa no iní­cio do século XX, a S. Tomé colonial do cacau e do café, a índia exótica da rainha Vitória – e a sua complexidade temática, histórica e polí­tica, não se compadecem com adaptaíões â€œí  la moita flores”.

Continue a Ler

Marburg de novo

As últimas notí­cias no site da Nexus:MARBURG ESTí EM DECLíNIO17/05/2005A epidemia de febre hemorrágica provocada pelo ví­rus de Marburg está praticamente controlada, já que está confinada ao municí­pio sede da proví­ncia do Uí­je.A Dra.Filomena Wilson faz aquí­ o balanío das últimas 24 horas em que foram registados três óbitos “Houve o registo de três óbitos, mas destes óbitos só um caso foi confirmado como de Marburg, os outros dois tratavam-se de outras doenías. Estão em seguimento por contactos 172 pessoas, estou a falar apenas do municí­pio do Uí­je, porque o total da proví­ncia do Uí­je até ontem, temos casos suspeitos 205, casos confirmados 221, óbitos 282 e estão a ser acompanhadas 205 pessoas que tiveram contacto com doentes infectados”.Nas restantes proví­ncias do Paí­s não se registou nenhum caso segundo a Dra.Filomena Wilson, que esteve a trabalhar durante quinze dias com as comunidades na proví­ncia do Uí­je , onde pôde constatar que ainda existem casos de doentes que falecem em casa, sem chegarem ao hospital.Os jornais que já tive oportunidade de folhear também parecem partilhar desta opinião.

Continue a Ler

Jeep

Ganhei um Toyota Rav4 para as minhas deslocaíões aqui em Angola. É azul petróleo, três portas, motor 2.2 a gasolina. Tem duplo tecto de abrir, rádio com leitor de cd’s e um pinheirinho de cartão aromático pendurado no espelho retrovisor. O que é que um homem pode querer mais de um carro?

Continue a Ler