Vou Ser Tio

Hoje tinha na minha caixa de email uma das melhores notí­cias de sempre: o meu irmão Ruca vai ser pai pela primeira vez (o que significa que eu vou ser tio pela segunda). Fiquei feliz para além de todas as expectativas; talvez pelo inesperado da notí­cia; talvez por ser o meu irmão mais novo; talvez […]

Continue a Ler

Festa em Luanda

Nunca pensei que houvesse tantos benfiquistas em Luanda. São 22:30, o SLB já é campeão 2004/2005 há uma hora e as ruas ainda estão cheias de carros, de motas, de gente apeada correndo de um lado para o outro com os seus cachecóis, as suas bandeiras, as suas camisolas do glorioso.

Continue a Ler

Equador 2

Uma pequena citaíão do livro de Miguel Sousa Tavares:E era tudo: a Pátria, o seu mundo, toda a sua vida, foram ficando lentamente para trás, enquanto o Zaire se afastava do cais, na Doca da Fundiíão, manobrando para evitar as areias do Bugio, e Lisboa se ia reduzindo a um ponto cada vez mais insignificante no horizonte…. Uma brisa fria do mar de largo provocou-lhe um súbito arrepio e recolheu-se ao camarote, onde o esperava uma bateria completa dos jornais da manhã.

Continue a Ler

Equador

O tal livro que toda a gente comenta que daria um grandioso filme épico português, ou uma excelente mini-série ao jeito das saudosas “jóias da coroa” da BBC, houvesse no nosso paí­s dinheiro e know-how para o adaptar.Dinheiro, é improvável que cheguemos lá com um mí­nimo de dignidade; a amplitude da história, a diversidade geográfica – Lisboa no iní­cio do século XX, a S. Tomé colonial do cacau e do café, a índia exótica da rainha Vitória – e a sua complexidade temática, histórica e polí­tica, não se compadecem com adaptaíões â€œí  la moita flores”.

Continue a Ler

Marburg de novo

As últimas notí­cias no site da Nexus:MARBURG ESTí EM DECLíNIO17/05/2005A epidemia de febre hemorrágica provocada pelo ví­rus de Marburg está praticamente controlada, já que está confinada ao municí­pio sede da proví­ncia do Uí­je.A Dra.Filomena Wilson faz aquí­ o balanío das últimas 24 horas em que foram registados três óbitos “Houve o registo de três óbitos, mas destes óbitos só um caso foi confirmado como de Marburg, os outros dois tratavam-se de outras doenías. Estão em seguimento por contactos 172 pessoas, estou a falar apenas do municí­pio do Uí­je, porque o total da proví­ncia do Uí­je até ontem, temos casos suspeitos 205, casos confirmados 221, óbitos 282 e estão a ser acompanhadas 205 pessoas que tiveram contacto com doentes infectados”.Nas restantes proví­ncias do Paí­s não se registou nenhum caso segundo a Dra.Filomena Wilson, que esteve a trabalhar durante quinze dias com as comunidades na proví­ncia do Uí­je , onde pôde constatar que ainda existem casos de doentes que falecem em casa, sem chegarem ao hospital.Os jornais que já tive oportunidade de folhear também parecem partilhar desta opinião.

Continue a Ler

Jeep

Ganhei um Toyota Rav4 para as minhas deslocaíões aqui em Angola. É azul petróleo, três portas, motor 2.2 a gasolina. Tem duplo tecto de abrir, rádio com leitor de cd’s e um pinheirinho de cartão aromático pendurado no espelho retrovisor. O que é que um homem pode querer mais de um carro?

Continue a Ler

Frigorí­fico

Enquanto estive fora fizeram algumas obras no apartamento: umas pinturas nas paredes, revisão dos ares condicionados e do gerador, limpeza do tanque da água e instalaíão de um exaustor e de uma máquina de lavar roupa novas…. E como o egoí­smo é muito feio, recebi o castigo merecido: esqueci-me da chave em Portugal e tive de passar a primeira noite cheio de sede, pois nem sequer tinha fósforos para ferver a água da torneira.

Continue a Ler

Luanda de novo

Um voo óptimo, por sinal; comida nem melhor nem pior do que a da TAP ou Varig (para falar das que conheío melhor); pessoal de cabina simpático e eficiente quanto baste;nada de turbulências nem agitaíões; uma descida suave e uma aterragem perfeita. A única desvantagem, a meu ver, é que a aeronave – um Boeing 747 – não tinha programaíão de bordo; nem música nem filmes.O melhor, contudo, ainda estava para vir.

Continue a Ler

Preparativos

Estas semanas em Portugal – quatro – passaram num ápice; entre a famí­lia, os amigos, a casa e alguns trabalhos que tinham ficado pendurados, os dias atropelaram-se e agora, subitamente, dou comigo a pensar de novo em fazer as malas…. Pode ser que em Agosto, quando voltar cá, tenha tempo para dar um passeio por essas bandas.

Continue a Ler

Marburg Continua a Baixar

Nas últimas três semanas regista-se uma diminuiíão do número de casos da epidemia de febre hemorrágica de Marburg em Angola, passando a media de notificaíão de 39 para 14…. Telecomunicaíões e Serviíos SARL – 2004Nas restantes seis proví­ncias angolanas que se encontram em estado de alerta epidemiológico não se registou nenhum caso novo, uma situaíão que se mantém há vários dias consecutivos..::.NEXUS.::.

Continue a Ler

Fui í  Catedral

Sessenta mil pessoas unidas na maior festa, berrando, cantando, gritando ao mesmo tempo, erguendo-se em uní­ssono, louvando e insultando em coro; e tudo porque 22 milionários (e três potenciais suspeitos no processo “apito dourado”) correm atrás de uma bola num hectare de relva…. Mas ganhou, e o sonho ficou mais próximo.

Continue a Ler

Problemas

Já percebi que 90% dos problemas se resolvem por si próprios se os metermos numa caixa e os esquecermos. Os outros 10% é que são uma chatice – principalmente porque não há como distinguir uns dos outros.

Continue a Ler

Almera

Num spot de rádio para o Nissan Almera, ouvido hoje aqui em Portugal, uma namorada/mulher/amiga interpela o condutor do carro em que segue, pedindo-lhe para andar mais devagar. O rapaz – pela voz parece novo – responde que “com o Nissan Almera” é impossí­vel andar devagar“.Num paí­s onde morrem 1113 pessoas por ano em acidentes de automóvel (cito o número de memória, mas anda por aí­); onde o presidente da República se sente compelido a fazer uma presidência aberta dedicada í  sinistralidade rodoviária; onde as reformas do código da estrada se sucedem sem resultados aparentes; num paí­s assim, escrever um spot destes é um atentado, não só ao bom senso, não só í  ética profissional e í  decência humana, mas principalmente í s famí­lias de todas as ví­timas da nossa ”guerra das estradas“ (perdoem-me o cliché).Os miúdos acabados de sair do IADE que escreveram este spot não devem perceber estas minhas lamúrias.

Continue a Ler

Cuspidela

Tenho a certeza de que não foi de propósito – nem mesmo um jogador do Sporting faria uma coisa dessas – mas foi um lindo momento de televisão.Quando não é uma cuspidela, os futebolistas têm outro gesto ainda mais bonito – tapam uma narina e sopram com foría pela outra, levando tudo í  frente…. Mas não me lembro de ter alguma vez visto um tenista cuspir para o chão de Wimbledon (ou mesmo do Estoril Open).Só espero que o Frederico não ganhe estes hábitos de futebolista.

Continue a Ler

Festa

Revi todos os meus tios e tias e boa parte dos meus primos.Um destaque especial para o Bruno, que passou os últimos meses no Peru e Brasil, a estudar (e ensinar) medicinas alternativas e medicamentos naturais. Passámos um bom bocado a falar dessa experiência e a discutir uma pesquisa pessoal que ele comeíou a desenvolver nessa viagem, onde mistura arte, caligrafia, fotografia, diário í­ntimo e poesia.

Continue a Ler

Tiro no Escuro

O primeiro filme que fui ver depois de regressar de Angola foi o “Tiro no Escuro”, realizado pelo Leonel Vieira. Trabalhei no guião desse filme há uns dois anos atrás, primeiro reescrevendo-o, depois criando a versão final juntamente com o Jorge Almeida, autor do guião original, o Leonel e o Tino Navarro. O filme já […]

Continue a Ler

Home Again

Os americanos dizem “home is where you hang your hat on” ou qualquer coisa do género: “casa é onde penduramos o chapéu”. Não é. Casa é onde queremos passar cada minuto com a famí­lia; onde nos sentimos bem mesmo quando nos sentimos mal; onde sonhamos estar quando estamos noutro lugar; onde temos prazer em fazer […]

Continue a Ler

De partida

Hoje í s seis da tarde fazemos o check in para o voo TAP que nos vai levar de novo a Portugal, í  famí­lia, aos amigos, í  nossa casa. Vamos encontrar muitas coisas na mesma, mas outras bastante diferentes: tenho um novo priminho, nascido ontem; o governo mudou e o paí­s ficou subitamente cor-de-rosa; o filme […]

Continue a Ler

Tundavala

Perto da casa do N., onde ficámos hospedados, rasga-se a fenda da Tundavala, um enorme corte vertical de mil metros de altura que esventra a parede ocidental do planalto. Já corri as serras portuguesas, do Gerês aos Candeeiros, já atravessei a estrada de Santos, já passeei nos Alpes e nos Pirinéus, já estive no Grand […]

Continue a Ler