Marburg Continua a Baixar

Nas últimas três semanas regista-se uma diminuiíão do número de casos da epidemia de febre hemorrágica de Marburg em Angola, passando a media de notificaíão de 39 para 14…. Telecomunicaíões e Serviíos SARL – 2004Nas restantes seis proví­ncias angolanas que se encontram em estado de alerta epidemiológico não se registou nenhum caso novo, uma situaíão que se mantém há vários dias consecutivos..::.NEXUS.::.

Continue a Ler

Fui í  Catedral

Sessenta mil pessoas unidas na maior festa, berrando, cantando, gritando ao mesmo tempo, erguendo-se em uní­ssono, louvando e insultando em coro; e tudo porque 22 milionários (e três potenciais suspeitos no processo “apito dourado”) correm atrás de uma bola num hectare de relva…. Mas ganhou, e o sonho ficou mais próximo.

Continue a Ler

Problemas

Já percebi que 90% dos problemas se resolvem por si próprios se os metermos numa caixa e os esquecermos. Os outros 10% é que são uma chatice – principalmente porque não há como distinguir uns dos outros.

Continue a Ler

Almera

Num spot de rádio para o Nissan Almera, ouvido hoje aqui em Portugal, uma namorada/mulher/amiga interpela o condutor do carro em que segue, pedindo-lhe para andar mais devagar. O rapaz – pela voz parece novo – responde que “com o Nissan Almera” é impossí­vel andar devagar“.Num paí­s onde morrem 1113 pessoas por ano em acidentes de automóvel (cito o número de memória, mas anda por aí­); onde o presidente da República se sente compelido a fazer uma presidência aberta dedicada í  sinistralidade rodoviária; onde as reformas do código da estrada se sucedem sem resultados aparentes; num paí­s assim, escrever um spot destes é um atentado, não só ao bom senso, não só í  ética profissional e í  decência humana, mas principalmente í s famí­lias de todas as ví­timas da nossa ”guerra das estradas“ (perdoem-me o cliché).Os miúdos acabados de sair do IADE que escreveram este spot não devem perceber estas minhas lamúrias.

Continue a Ler

Cuspidela

Tenho a certeza de que não foi de propósito – nem mesmo um jogador do Sporting faria uma coisa dessas – mas foi um lindo momento de televisão.Quando não é uma cuspidela, os futebolistas têm outro gesto ainda mais bonito – tapam uma narina e sopram com foría pela outra, levando tudo í  frente…. Mas não me lembro de ter alguma vez visto um tenista cuspir para o chão de Wimbledon (ou mesmo do Estoril Open).Só espero que o Frederico não ganhe estes hábitos de futebolista.

Continue a Ler

Festa

Revi todos os meus tios e tias e boa parte dos meus primos.Um destaque especial para o Bruno, que passou os últimos meses no Peru e Brasil, a estudar (e ensinar) medicinas alternativas e medicamentos naturais. Passámos um bom bocado a falar dessa experiência e a discutir uma pesquisa pessoal que ele comeíou a desenvolver nessa viagem, onde mistura arte, caligrafia, fotografia, diário í­ntimo e poesia.

Continue a Ler

Tiro no Escuro

O primeiro filme que fui ver depois de regressar de Angola foi o “Tiro no Escuro”, realizado pelo Leonel Vieira. Trabalhei no guião desse filme há uns dois anos atrás, primeiro reescrevendo-o, depois criando a versão final juntamente com o Jorge Almeida, autor do guião original, o Leonel e o Tino Navarro. O filme já […]

Continue a Ler

Home Again

Os americanos dizem “home is where you hang your hat on” ou qualquer coisa do género: “casa é onde penduramos o chapéu”. Não é. Casa é onde queremos passar cada minuto com a famí­lia; onde nos sentimos bem mesmo quando nos sentimos mal; onde sonhamos estar quando estamos noutro lugar; onde temos prazer em fazer […]

Continue a Ler

De partida

Hoje í s seis da tarde fazemos o check in para o voo TAP que nos vai levar de novo a Portugal, í  famí­lia, aos amigos, í  nossa casa. Vamos encontrar muitas coisas na mesma, mas outras bastante diferentes: tenho um novo priminho, nascido ontem; o governo mudou e o paí­s ficou subitamente cor-de-rosa; o filme […]

Continue a Ler

Tundavala

Perto da casa do N., onde ficámos hospedados, rasga-se a fenda da Tundavala, um enorme corte vertical de mil metros de altura que esventra a parede ocidental do planalto. Já corri as serras portuguesas, do Gerês aos Candeeiros, já atravessei a estrada de Santos, já passeei nos Alpes e nos Pirinéus, já estive no Grand […]

Continue a Ler

Lubango

Regressámos ontem do Lubango, onde passámos dois dias. Dois grandes dias, numa cidade que bem pode orgulhar-se de representar uma outra face de Angola. Lubango, que nos tempos coloniais era conhecida por Sá da Bandeira, é a capital da proví­ncia da Huí­la . O nome português caiu com a independência mas a cidade manteve boa […]

Continue a Ler

Febre Hemorrágica

Quem tenha visto a SIC nos últimos dias deve achar que Angola e Luanda se encontram no meio de uma epidemia incontrolada da febre hemorrágica de Marburg, uma variante do ébola. Não é verdade. A epidemia existe, realmente, mas está restrita í  proví­ncia do Huí­ge e a alguns casos perfeitamente controlados em outras proví­ncias, nomeadamente […]

Continue a Ler

Skipe

O Skipe funciona perfeitamente. Falei ontem longamente com a minha mãe, em Portugal, e a Lu também esteve imenso tempo ao telefone com a mãe dela, no Brasil. No total gastámos menos de três dólares, mais a tarifa das chamadas locais. Boas notí­cias, portanto.

Continue a Ler

Net

Agora que temos casa nova, e só para nós, resolvi informar-me das condiíões das assinaturas de acesso í  net pela linha telefónica normal. Escolhi a Nexus, um operador privado. No site deles (que é um razoável portal com notí­cias de angola (em www.nexus.ao) obtive a comparaíão dos vários planos disponí­veis. Escolhi um, barato, 12 dólares […]

Continue a Ler

O Mauro é meu amigo

Não sei quem é o Mauro. Não faío ideia onde vive, que idade tem, o que é que pensa da vida. Desconfio que seja do sexo masculino, possivelmente jovem, provavelmente negro. Mas sei que o Mauro é meu amigo, por uma razão muito simples: é o seu nome que eu vejo, pintado na parede, no […]

Continue a Ler

Acácias de Ouro

A TVC, concessionária da publicidade na televisão de Angola, organiza todos os anos um festival para premiar os melhores anúncios criados em Angola. Este ano o festival chamou-se Acácias de Ouro e premiou, além da televisão/cinema, as categorias de imprensa, rádio e outdoor. A agência arrasou, ganhando 14 prémios, incluindo dois grandes prémios e o […]

Continue a Ler

Salões de beleza

O salão de beleza é um dos negócios mais populares por aqui. Provavelmente porque para ter um salão só é preciso um espaço, uma tesoura e uma escova (estou a exagerar) mas também porque os angolanos são muito preocupados com a sua aparência pessoal. Por outras palavras, são muito vaidosos. Os nomes são deliciosos: há […]

Continue a Ler

Dólar

O dólar é a verdadeira moeda não oficial de Angola. É aceite em praticamente todos os estabelecimentos e os preíos são apresentados em kuanzas e dólares. Há anúncios na televisão que só dão os preíos na moeda americana, e em cada esquina há cambistas a acenarem com maíos de kuanzas para quem quiser trocar. Uma […]

Continue a Ler

Bancas de bebidas

í€ noite, quando passamos nos bairros mais populares de Luanda, vemos bancas na rua a vender bebidas. Identificamo-las pelas latas e garrafas vazias com que estão decoradas, e são mais uma manifestaíão do mercado informal que domina toda a economia paralela da cidade. Mas o que mais me impressiona é que muitos destes vendedores tentam […]

Continue a Ler