Jembas

No último fim de semana fomos passar a noite ao Mussulo, a um resort chamado Jembas. O V. e o E. também foram, aproveitando os derradeiros dois dias da sua estadia aqui em Angola. O resort em si não é nada de especial – os bungallows, perto da praia mas isolados por uma vedaíão, são […]

Continue a Ler

Cerimónias

Dia 23 foi a inauguraíão oficial da nova sede da agência. Uma festa a sério, com mais de 100 convidados, muitos vip, e cobertura da imprensa e televisão. O momento alto da cerimónia foi o descerrar da placa com o novo logotipo, pelo vice-ministro da Comunicaíão Social, a que se seguiram discursos pelo próprio e […]

Continue a Ler

Rua 11

Perto da Rua 11, para os lados do Benfica, há um restaurante ribeirinho muito agradável. É o Restaurante da Rua 11, nome pouco imaginativo mas fácil – e digno – de memorizar. Fomos lá almoçar no Domingo, com o E. e a namorada, a C.. A especialidade é um buffet de pratos angolanos, incluindo a […]

Continue a Ler

Cinema

Domingo fomos ao cinema pela segunda vez. Mais precisamente ao Cine-Atlântico, magní­fico exemplar da arquitectura colonial do pós-guerra. É um grande anfiteatro coberto mas sem paredes laterais, o que o torna bastante arejado e agradável nas noites quentes de Luanda. Fomos ver um filme de acíão, “Anacondas”. O filme, em si, não merece comentários – […]

Continue a Ler

Sport Clube da Catumbela

Estou a considerar seriamente deixar de torcer pelo Benfica e passar a apoiar o Sport Clube da Catumbela, do qual o meu avô João chegou a ser presidente (segundo o meu pai diz, no único ano em que o clube ganhou o campeonato de Angola). Isso é que é um clube, e não esta coisinha […]

Continue a Ler

Dia dos Namorados

Os angolanos, pelo menos aqui em Luanda, são devotos do S. Valentim. Na televisão podí­amos ver inúmeros spots publicitários de restaurantes, anunciando programas especiais para a noite dos namorados, e em muitas ruas viam-se bancas a vender presentes. No regresso a casa, muitos homens levavam ramos de flores ou embrulhos cuidadosamente arranjados. Aposto que em […]

Continue a Ler

Raios e Coriscos

Segunda feira í  noite houve uma tempestade enorme sobre Luanda. Não choveu muito, mas os relâmpagos sucediam-se com tanta frequência que o céu chegava a ficar completamente branco. Era impossí­vel associar um relâmpago a um trovão especí­fico, tão rápida era a sua sequência. Eu e a Lu tí­nhamos combinado ir jantar fora – era Dia […]

Continue a Ler

Lagostas

Ao almoço de ontem comemos quatro lagostas compradas aos pescadores em Cabo Ledo. Foi a primeira coisa que achei realmente barata aqui. Custaram 700 kuanzas, ou seja, cerca de sete euros. Por esse preço, em Portugal, pagava pouco mais do que um pires de gambas. Vieram vivinhas, dentro de um saco de plástico, ainda a […]

Continue a Ler

Benfica

Há aqui em Luanda um bairro chamado Benfica. Mas não é desse bairro em expansão que eu quero falar. É do “glorioso”, o meu SLB, que tenho conseguido acompanhar mesmo de tão longe. Os jogos passam na televisão, nos canais públicos de Angola, ou em canais de satélite, e a comunidade de benfiquistas local é […]

Continue a Ler

Lixo

Luanda tem um grave problema de lixo. Em grande parte das ruas cruzamo-nos com montanhas de detritos variados, restos orgânicos, latas e caixotes, garrafas, plásticos, porcaria indiscriminada. Os contentores que se encontram aqui e ali vão ficando cercados e cobertos de porcaria, e os serviíos municipais parecem não ter capacidade para eliminar o lixo antes […]

Continue a Ler

Candongueiros

Os táxis de Luanda são conhecidos por “candongueiros”. São carrinhas do tipo Toyota Hiace, pintadas de azul e branco e geralmente em muito mau estado. As amolgadelas e riscos na lata são cicatrizes de combate que atestam o estilo de conduíão “radical” dos seus motoristas. Vejo-as passar a grande velocidade, cheias de clientes, parando onde […]

Continue a Ler

Trânsito

Luanda tem um trânsito alucinado. As pessoas conduzem sem grande respeito pelas regras e conveníões, ultrapassando pela esquerda e pela direita, tapando cruzamentos, competindo pelas vagas e aberturas, lutando pelo direito de passagem sem levar muito em conta a noíão de prioridades. Felizmente o trânsito é tão intenso que toda a gente é obrigada a […]

Continue a Ler

Casa

Ainda não estamos a viver na casa onde vamos ficar durante o resto da estadia. Neste momento partilhamos uma pequena moradia no bairro de Alvalade com outros dois colegas da empresa, o F. e o E. O pequeno apartamento que nos tinham destinado inicialmente não estava em condiíões aceitáveis, e situava-se num prédio muito degradado. […]

Continue a Ler