Entrevista de John August

Como os meus leitores habituais já devem saber, John August é um dos meus guionistas favoritos, quer pelos seus guiões produzidos (destaque para "Big Fish") quer pelo blogue que mantém na net. John August por Jen Pollack Bianco Deu recentemente uma entrevista sobre o processo criativo da escrita de um guião que está cheia de […]

Continue a Ler

Clichés de publicidade na rádio

No outro dia, ao ouvir na TSF dois spots publicitários seguidos praticamente iguais, comecei a pensar nos clichés da publicidade na rádio. Lembrei-me de cinco que, mais tarde ou mais cedo, todos os redactores publicitários em quebra de inspiração são tentados a reproduzir. O relato de futebol: o cliente recebe o produto, avança para a […]

Continue a Ler

Mistérios do passado

Dentro de um livro fechado num caixote no qual já não mexia há muitos anos encontrei uma pequena nota, manuscrita pelo meu punho (é indiscutivelmente a minha letra feia e imatura), com duas frases enigmáticas: "Pilinha de um menino de 5 anos" e "2 cegos à porrada". Não faço ideia ao que me estava a […]

Continue a Ler

Mais uma etapa no “projecto z”

Terminei finalmente de reler e anotar o romance que estou a adaptar para cinema. Como tinha previsto num artigo anterior, esta fase demorou mais do que tinha planeado inicialmente. Mas é natural – esta releitura foi mais cuidadosa e profunda do que a primeira, tomei muitas notas, já comecei a delinear a estrutura do filme […]

Continue a Ler

Bom senso

Enquanto estava na esplanada um miúdo de rua pediu-me dinheiro. Tinha dois pensos grandes na testa, cruzados como nos desenhos animados, mas sem a graía dos desenhos animados. Estava descalío. Por um momento pensei em dar-lhe as minhas havaianas e regressar assim a casa, afinal de contas era só atravessar a rua. É claro que […]

Continue a Ler

Tirem senha

Acho que devia haver um sistema de gestão de filas para os problemas, como aqueles que há nos bancos e repartiíões públicas. Os problemas chegavam, tiravam a senha cor-de-rosa, e esperavam calmamente pela sua vez. Em vez de se amontoarem todos no balcão, a querer ser atendidos em primeiro lugar.

Continue a Ler

Revelação

Descobri ontem que há moedas em Angola. Moedas, redondinhas, de metal, daquelas que tilintam nos bolsos e se jogam ao ar para tirar sortes. Depois de um ano e meio a manusear notas (geralmente sebentas) sem que nenhuma moeda me passasse sequer pela vista, muito menos pelas mãos, fui ontem informado da sua existência. Não […]

Continue a Ler

NL

Os angolanos têm alguma tendência para inventar quando não sabem a resposta exacta a uma pergunta. Um exemplo desta generalizaíão passou-se comigo logo que cheguei aqui. Reparei que nas ruas havia muitos carros identificados por um autocolante com as letras “NL”. Perguntei ao meu motorista na altura, o G., o que é que aquilo queria […]

Continue a Ler

Pilas

Um hábito desagradável que os angolanos (ou, pelo menos, os luandenses) têm é o de urinar para onde estão virados. Quando a necessidade aperta, independentemente de onde estão ou de que horas sejam, sacam do instrumento e aliviam-se. É verdade que todos nós, num momento de pressão e desespero, já fizemos isto – de algum […]

Continue a Ler