Ira Glass: A diferença entre o que queremos fazer e o que conseguimos fazer

Se alguma vez se sentiu frustrado pela diferença entre aquilo que quer fazer, e aquilo que consegue fazer, seja bem vindo ao clube. Todos os escritores, autores, artesãos, criadores e artistas em geral enfrentam essas frustrações, e os medos de insuficiência que delas resultam.

A solução é só uma: trabalhar muito, praticar sempre, aperfeiçoar-se cada vez mais, de forma a ir diminuindo a falha entre aquilo que visualiza e aquilo que consegue materializar nas suas obras.

Entretanto, veja estes dois filmes. Foram inspirados por uma entrevista do escritor Ira Glass sobre esse mesmo tema e, por sua vez, têm inspirado muitos criadores.

Comece por este

e veja este também.

A entrevista original pode ser vista aqui (há mais três vídeos mas pode encontrá-los a partir deste):

Mais Hitchcok: um video com todas as suas aparições nos próprios filmes

Todos sabemos que Alfred Hitchcok gostava de participar discretamente nos seus próprios filmes, como figurante. É até um passatempo cinéfilo tentar descobrir em que cenas ele aparece. Pois um desmancha-prazeres obsessivo-compulsivo teve o trabalho de identificar todas as aparições de Hitch e juntá-las neste vídeo. Só para os fãs.

As cem frases mais foleiras do cinema

Alguém teve a paciência de montar um vídeo que anda a correr aí nas nets com uma selecção de frases foleiras do cinema.

Na minha opinião, nem todas são tão foleiras assim: “I’m here to chew gum and quick ass; and I’m all out of chewing gum” de “They live“, é fabulosa.

Outras, embora alegadamente foleiras, atingiram um nível de fama que as eleva desse nível para o da cultura popular: “I’m the king of the world!“, do filme que mais bilhetes vendeu, é o que é.

Mas as que restam são, inegavelmente, foleiras. E muito divertidas nesta montagem.