As 101 séries de televisão mais bem escritas

A Writers Guild of America, sindicato dos guionistas dos EUA, publicou recentemente uma lista das 101 séries de televisão mais bem escritas, elaborada após votação dos seus associados.

Como seria de esperar, dada a sua origem, a lista está completamente enviesada para a produção televisiva americana, sendo excepção apenas uma meia dúzia de obras britânicas. De qualquer forma apresenta um panorama bastante representativo do que de melhor tem sido feito em televisão, especialmente nas últimas décadas.

O lugar de topo da lista coube a duas das minhas séries favoritas: Os Sopranos, criada por David Chase, seguida por outra favorita de toda a gente, Seinfeld, de Larry David & Jerry Seinfeld.

Seinfeld-Cast-seinfeld-artigo

O resto da lista é uma mistura de séries recentes e clássicos, embora as obras dos últimos anos, incluindo algumas ainda em exibição, estejam em maioria.

Como o texto de apresentação da listagem, da autoria de Paul Brownfield, faz questão de destacar, as escolhas nela presentes reforçam a convicção de que por trás de uma grande série há quase sempre grandes personagens.

Se personalidade é destino, então o personagem é realmente a espinha dorsal da grande escrita televisiva. A lista da WGA das 101 Séries Mais Bem Escritas é um testemunho disto, tão verdadeiro para aquelas em que o personagem principal é ostensivamente uma versão da sua estrela (The Cosby Show, para dar apenas um exemplo) como para aquelas em que é um Vulcano a bordo de uma nave espacial de exploração ou um assassino em série saltitando entre lados opostos da lei.

Não há melhor exemplo desta afirmação do que o primeiro classificado da lista.

David Chase revolucionou a escrita televisiva escolhendo para protagonista d’Os Sopranos um dos mais famosos anti-heróis da ficção televisiva. Tony Soprano (que David Chase inicialmente baptizou de Tommy) era um chefe mafioso com problemas de ansiedade que o obrigavam a procurar assistência psicológica em segredo.

sopranos_St_artigo

A partir desta premissa simples foram desenvolvidas seis temporadas em que acompanhamos fascinados a forma como este homem complexo e contraditório lidava com os seus problemas pessoais, familiares e profissionais (sendo que estes últimos implicavam muitas vezes o recurso ao homicídio).

Os Sopranos recebeu o maior número de votos. Nenhuma série teve mais responsabilidade no renascimento da escrita televisiva, na qual os guionistas usam os personagens tanto para comentar o mundo contemporâneo como para realçar as formas como a acção reflecte as conturbadas vidas interiores das pessoas reais.

O sucesso d’Os Sopranos e a popularidade do seu protagonista estabeleceram um novo padrão de qualidade pelo qual, inevitavelmente, todas as séries subsequentes passaram a ser medidas.

Se quiser perceber melhor a razão da vitória d’Os Sopranos pode apreciar a qualidade da escrita de David Chase lendo o episódio piloto disponível na net (Nota importante: é melhor ler directamente na página do site, porque o link para baixar o suposto .pdf leva para um ficheiro .exe de segurança duvidosa).

As 25 séries mais votadas foram as seguintes:

  1. “The Sopranos”
  2. “Seinfeld”
  3. “The Twilight Zone” (1959)
  4. “All in the Family”
  5. “MAS*H”
  6. “The Mary Tyler Moore Show”
  7. “Mad Men”
  8. “Cheers”
  9. “The Wire”
  10. “The West Wing”
  11. “The Simpsons”
  12. “I Love Lucy”
  13. “Breaking Bad”
  14. “The Dick Van Dyke Show”
  15. “Hill Street Blues”
  16. “Arrested Development”
  17. “The Daily Show with Jon Stewart”
  18. “Six Feet Under”
  19. “Taxi”
  20. “The Larry Sanders Show”
  21. “30 Rock”
  22. “Friday Night Lights”
  23. “Frasier”
  24. “Friends”
  25. “Saturday Night Live”

A lista completa com todas as séries seleccionadas  pode ser encontrada aqui.

Nova atualização 5-12-2012: Mais guiões novos disponíveis na net

Como já referi algumas vezes, é impossível aperfeiçoar a nossa técnica de escrita sem ler guiões de outros autores e ver como eles resolvem os problemas narrativos. Quantos mais guiões conseguirmos ler, no maior número de géneros e estilos, mais recursos temos para adaptar às nossas necessidades.

Nem sempre é fácil encontrar guiões para ler em língua portuguesa. O site Roteiros de Cinema disponibiliza alguns, e eu próprio já coloquei vários guiões meus para consulta.

Em língua inglesa já é mais fácil encontrar guiões, apesar de alguns dos sites onde eles estão disponíveis serem por vezes censurados ou até atacados diretamente pelos estúdios, sob o pretexto de serem ilegais.

Apesar de compreender o ponto de vista dos detentores dos direitos de autor, acho que é justificável baixar guiões para efeitos de estudo e aprendizagem.

Uma das poucas ocasiões em que é possível fazê-lo “legalmente”, e até com a benção dos estúdios, é na temporada que antecede a atribuição de prémios, como os Oscares ou os prémios da Writer’s Guild of America. Neste caso são os próprios estúdios que disponibilizam os guiões de forma a que os votantes nesses prémios os possam ler e apreciar antes das votações.

Este ano a temporada está a começar mais cedo do que o costume e vários guiões já estão disponíveis. Aproveite para os baixar depressa, não vão os estúdios voltar atrás e retirá-los de novo de circulação, como aconteceu com o guião de Les Misérables.

Aqui estão os links dos guiões já disponíveis:

Fique atento a outras publicações, consultando estes sites:

Via Go Into the Story

Os 101 melhores guiões segundo a WGA

A Writers' Guild of America tem uma lista dos 101 melhores guiões de sempre. Obviamente, a lista é tendenciosa e favorece os guiões americanos, mas não seria de esperar outra coisa – a Writers' Guild é o sindicato dos guionistas americanos.

Seja como for,  o certo é que cada um dos exemplos referidos é uma obra prima digna de respeito. E a boa notícia é que o site SimplyScripts está a disponibilizar a maior parte destes guiões para download.

Aproveite, baixe os seus favoritos e estude-os. Não há melhor maneira de aprender a escrever do que ler os melhores exemplos. Depois – é praticar.

Link —>

“Pré-visão” dos Oscares 2012

A menos de uma semana dos Oscares, façamos o balanço da época de prémios deste ano para as categorias de escrita.

Anunciados neste domingo, os prémios da WGA, Writer's Guild Awards, elegeram "Midnight in Paris" de Woody Allen como Melhor Argumento Original, cimentando a posição de favorito deste ano. Já os Golden Globes tinham premiado Woody Allen, assim como o Critics' Choice Award. Não sabemos se a Academia favorecerá Woody Allen, pois esta é a sua 15ª nomeação na categoria de escrita, tendo vencido apenas duas vezes, com "Annie Hall" e "Hannah and Her Sisters". Se Woody Allen vencer o Oscar este ano, terminará a "maldição" de 25 anos favorito mas nunca escolhido.

Na categoria de Melhor Argumento Adaptado a honra da WGA  foi para "The Descendants", de Alexander Payne, Nat Faxon e Jim Rash, estes dois últimos novatos nestas andanças de prémios. Alexander Payne foi já vencedor de um Oscar com "Sideways", um Golden Globe com "About Schmidt" e vários outros prémios com ambos argumentos e ainda com "Election".

Já o Critics' Choice Award resolveu dar o prémio de Melhor Argumento Adaptado a "Moneyball", de Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin. Para Stan é a primeira vez que tem esta honra, mas Steve Zaillian já venceu prémios anteriormente com "Awakenings" e "Schindler's List", tendo estado nomeado também para vários prémios este ano com "The Girl with the Dragon Tattoo". Aaron Sorkin foi o grande vencedor do ano passado com "The Social Network" e conta já com uma extensa carreira de escrita também.

A grande surpresa de prémios este ano veio da Europa, dos BAFTA, que premiaram "The Artist" na categoria de Melhor Argumento Original, de Michel Hazanavicius e "Tinker Tailor Soldier Spy", de Bridget O'Connor e Peter Straughan como Melhor Argumento Adaptado. Ambos são favoritos em várias categorias nos inúmeros prémios deste ano, apesar de apenas nos BAFTA terem recolhido também o prémio de Argumento.

Quem vencerá a maior honra este ano? Só saberemos no Domingo. Em Portugal poderá assistir à gala dos Oscares em directo na TVI, domingo dia 26, a partir da 1:00 da manhã.

Entretanto, fique com os nomeados deste ano e conte-nos, nos comentários, quem são os seus favoritos.

Melhor Argumento Original

The Artist: Michel Hazanavicius

Bridesmaids: Kristen Wiig, Annie Mumolo

Margin Call: J.C. Chandor

Midnight in Paris: Woody Allen

Jodaeiye Nader az Simin: Asghar Farhadi

Melhor Argumento Adaptado

The Descendants: Alexander Payne, Nat Faxon, Jim Rash

Hugo: John Logan

The Ides of March: George Clooney, Grant Heslov, Beau Willimon

Moneyball: Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin

Tinker Tailor Soldier Spy: Bridget O'Connor, Peter Straughan

Vencedores dos Writers Guild Awards 2011

A associação de guionistas americanos já escolheu os seus vencedores para este ano.

Os Writers Guild Awards, anunciados ontem, premiaram Christopher Nolan, pelo seu Argumento Original A Origem e Aaron Sorkin, na categoria de Argumento Adaptado, por A Rede Social.

A lista completa de nomeados pode ser consultada aqui.

Na categoria de melhor documentário foi escolhido Inside Job – A Verdade da Crise, de Charles Ferguson, Chad Beck e Adam Bolt.

Quanto à televisão, Mad Men, Modern Family, Boardwalk Empire, The Colbert Report e The Special Relationship receberam prémios para melhores séries, havendo ainda prémios para melhores episódios de Mad Men, 30 Rock e The Pacific.

Anunciados os nomeados para os prémios da Writers Guild

A Writers Guild of America, associação dos guionistas americanos, anunciou ontem os nomeados para os seus prémios de escrita de argumento. A maior parte dos filmes nomeados já foi ou está a ser exibido em Portugal, e os restantes estão previstos para breve.

Os nomeados para as duas categorias de guião de longa metragem, originais e adaptados, são os seguintes:

Argumento original

  • Black Swan, guião de Mark Heyman e Andres Heinz e John McLaughlin; estória de Andres Heinz; Fox Searchlight
  • The Fighterguião de Scott Silver e Paul Tamasy & Eric Johnson; estória de Keith Dorrington & Paul Tamasy & Eric Johnson; Paramount Pictures
  • Inception (A Origem), escrito por Christopher Nolan; Warner Bros.
  • The Kids Are All Right (Os Miúdos Estão Bem), escrito por Lisa Cholodenko & Stuart Blumberg; Focus Features
  • Please Give (Encontros em Nova Iorque), escrito por Nicole Holofcener; Sony Pictures Classics

Argumento adaptado

  • 127 Hoursguião de Danny Boyle & Simon Beaufoy; baseado no livro Between a Rock and a Hard Place de Aron Ralston; Fox Searchlight
  • I Love You Phillip Morris (Eu Amo-te Phillip Morris), escrito por John Requa & Glenn Ficarra; baseado no livro de Steven McVicker; Roadside Attractions
  • The Social Network (A Rede Social)guião de Aaron Sorkin; baseado no livro The Accidental Billionaires por Ben Mezrich; Sony Pictures
  • The Town (A Cidade), guião de Peter Craig e Ben Affleck & Aaron Stockard; baseado no romance Prince of Thieves de Chuck Hogan; Warner Bros
  • True Gritguião de Joel Coen & Ethan Coen; baseado no romance de Charles Portis; Paramount Pictures

Atendendo a que não vi (ou li os guiões) de alguns destes filmes, incluindo fortes candidatos como é o caso de Black Swan, fica difícil fazer apostas. Mas entre aqueles que vi destacaria Os Miúdos Estão Bem e A Rede Social. A Origem é também um fortíssimo candidato, mas penso que o seu perfil se adapta mais aos Oscares, onde é possível que venha a arrebatar uma boa mão cheia, incluindo o de guião original.

Dos filmes que me falta ver aguardo com curiosidade o referido Black Swan, mas também o 127 Hours, dos grandes vencedores dos Oscares do ano passado, e True Grit, um western dos eternos irmãos Cohen.

Como interpretar estes créditos

Algumas notas para entender esta lista. Segundo as normas de atribuição de créditos da WGA, o crédito mais valioso é o "Escrito por", que significa que os guionistas mencionados são os únicos autores da estória e do guião.

Quando a estória é de autores diferentes dos guionistas, usa-se o "guião de" e "estória de" para distinguir uns dos outros.

Finalmente, nos guiões que têm mais de um autor, quando se usa o "&" entre dois ou mais autores quer dizer que eles trabalharam em simultâneo na versão do guião; quando se usa o "e" significa que escreveram em sucessão. Assim, o crédito "guião de Peter Craig e Ben Affleck & Aaron Stockard" indica-nos que o guião foi escrita por Peter Craig, trabalhando sozinho, e por Ben Affleck e Aaron Stockard, em conjunto. A versão final terá resultado da combinação destas duas versões.

As normas da WGA proíbem (salvo erro) que um guião tenha mais de três autores creditados, independentemente do número de guionistas que possam ter trabalhado em várias versões do guião, ao longo do tempo.

Quando há disputa em relação a quem merece o crédito final é a WGA a entidade autorizada a atribuir os créditos. Para o efeito são nomeadas comissões entre os seus associados, por sorteio, a quem compete ler e comparar as várias versões do guião, para decidir quais os três autores mais representados na versão final.

Esta é uma das funções mais importantes da WGA, pois a atribuição do crédito tem impacto determinante na distribuição dos rendimentos do filme pelos guionistas.

Guiões repetem premiações.

Os mesmos dois guiões foram premiados em dois dos prémios mais importantes para a escrita audiovisual: o da WGA, Writers Guild of America, e o da BAFTA, British Academy of Film and Television Arts.

"The Hurt Locker" ("Estado de Guerra") ganhou o prémio de melhor argumento original em ambos os certames, e "Up in the Air" ("Nas nuvens") fez o mesmo na categoria de melhor argumento adaptado. Este último já tinha ganho também os Globos de Ouro, em que não há distinção entre originais e adaptações.

Parecem estar pois definidos os favoritos para os Oscares, que se aproximam. A ser verdade, o meu favorito "Inglorious Basterds" ficará para trás. Mas com "The Hurt Locker" o Oscar não fica mal entregue, pois também é um guião sensacional. E de "Up in the Air" nem preciso falar, porque já aqui escrevi sobre ele.

Podem baixar os dois guiões aqui: "The Hurt Locker" e "Up in the Air"