Fórmulas e frescura

"Existem atalhos para escrever um guião. Mas conduzem ao trabalho formulaico. Respeito esse tipo de trabalho, porque geralmente é competente, e às vezes não há tempo para mais.

Mas não existem atalhos para escrever um guião fresco, original. Não se pode escrever "All that jazz", ou "Annie Hall" usando as fórmulas de "Save the Cat"[1]. Nem mesmo "Forrest Gump" ou "Hard Day's Night". Para isso é preciso tentar coisas que nunca ninguém fez antes.

É muito mais divertido do que usar a estrutura inventada por outra pessoa. Mesmo que seja mais trabalhoso."– Alex Epstein.

Via Complications Ensue →

Notas de Rodapé

  1. Um livro já mencionado neste blogue, que propõe um método ultraestruturado para escrever um guião[]

This Post Has One Comment

  1. berni ferreira

    Ora aqui está uma filosofia com a qual me identifico completamente. E que tenho tentado aplicar na prática sem grande sucesso… Talvez um dia lá chegue…

    É encorajador ler uma coisa destas vinda de quem vem. Obrigado, João.

    Abraço para todos

A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

João Nunes

João Nunes é um autor, guionista e publicitário que divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal. Conta com mais de 3000 páginas de guiões produzidas sob a forma de longas metragens, telefilmes, e dezenas de episódios de séries de televisão.