Como combater o bloqueio criativo

Um artigo que li recentemente faz um apanhado de estratégias para combater o 'bloqueio criativo', essa praga que, mais tarde ou mais cedo, afeta todos os que se dedicam a trabalhos em que a criatividade é essencial. Os artistas ouvidos são essencialmente da área do design gráfico e ilustração, mas as estratégias que eles propõem também se aplicam com facilidade ao nosso 'writers block'.

Entre elas encontram-se, por exemplo:

  • Dedicar-se a tarefas mundanas como lavar a roupa ou arrumar a casa;
  • Viajar, passear, sair do ambiente normal;
  • Ouvir música;
  • Ver criações de outros em livros, museus, galerias, bibliotecas, etc;
  • Ler;
  • Mergulhar nos nossos próprios blocos de notas e trabalhos antigos;
  • Tomar duches longos;
  • Conversar sobre outros temas;
  • Fazer exercício, correr, passear o cão, andar de bicicleta.

Erik Spiekerman, um respeitadíssimo tipógrafo alemão, propõe um método com seis etapas:

  1. Evitar – fazer outra coisa qualquer, lavar o carro, fazer back-ups, tratar de assuntos pessoais…
  2. Pensar – relaxar e refletir sobre o assunto, deixando a mente vaguear…
  3. Pesquisar – procurar inspiração, vasculhar projetos antigos, mas evitar o Google – demora demasiado a encontrar algo de útil…
  4. Recolher – todos temos montes de coisas; deve haver alguma coisa lá pelo meio à espera de ser usada…
  5. Fazer esboços – desenhar é sensacional, mesmo que não se tenha talento. Basta visualizar as coisas mais simples para elas ganharem vida…
  6. Desconstruir – reduzir o problema às suas partes constituintes, analisá-las e voltar a montá-las…

Com as devidas adaptações – 'tomar notas' em vez de 'fazer esboços', por exemplo – parece-me uma boa metodologia.

E os leitores – quais são as vossas estratégias de combate ao 'bloqueio criativo'?

Como combater o bloqueio criativo

Este Artigo Tem 3 Comentários

  1. Pedro Costa

    Quando se têm um bloqueio penso ser util conversar com alguém sobre qq tema pois as conversas costumam divagar, por exemplo, é possivel começar a falar de carros, depois ir para a 2ª guerra mundial, depois modelos, filmes, histórias de quando eramos pequenos, etc, etc, etc

    outra coisa que penso ser util, é fazer algo que não goste… Temos tendencia para começar a desviar a cabeça para outro sitio, que costuma ser algo positivo para nós… Agora, esta coisa da qual não se gosta depende de cada pessoa.

  2. berni ferreira

    Normalmente jogo solitário spider no pc. Além de cada partida ter uma durabilidade razoável, permite-me pensar enquanto jogo, mas de uma forma pouco direccionada, menos obcecada com determinados temas, do que quando estou a olhar para uma página em branco num processador de texto.
    E a música também está sempre ligada. Pelo menos assim, não será por falta de estímulo que a coisa (escrever) ficará por fazer.

    Se o caso for mais grave, saio de casa para passear.

    Se o problema for ainda pior, compro uma garrafa de vinho. Neste caso, sei que não vou escrever nada que se aproveite, mas pelo menos escrevo e aproximo-me um pouco da forma que quero dar às ideias que tinha antes.

  3. William Florença

    Acredito que a maioria dos bloqueios acontecem por “falta do que dizer”.
    Eu costumo remexer em projetos antigos e fazer listas de coisas que gosto.

A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

João Nunes

João Nunes é um autor, guionista e storyteller que gosta de ajudar os outros a contar as suas próprias estórias. Divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal e já escreveu mais de 3500 páginas de guiões produzidos de curtas e longas metragens, telefilmes e séries de televisão.