Purgatório

Não nutro particular simpatia por Luis Filipe Menezes, mas também não lhe desejaria a sorte que a SIC lhe reservou: frente-a-frente periódicos com Odete Santos. Para ele, que é um homem educado, calmo, racional, deve ser uma experiência muito próxima do purgatório ter de deslocar-se a Lisboa para acabar sentado í  frente de um espécime daqueles, tentando entender os seus raciocí­nios retorcidos e extrair algum sentido de um discurso que, de tão retrógrado, troglodita e mastigado, chega a ser penoso de ouvir. Só consigo uma explicaíão para isso: o karma por pecadilhos passados (ou, quem sabe, uma vinganíazinha do Pinto Balsemão).

Este Artigo Tem 2 Comentários

  1. Carla

    Pensava que Angola tinha algumas vantagens, mas começo a desconfiar que ninguém está a salvo neste mundo.

  2. Pai

    Com esse espécimen que não sei classificar zoologicamente, tu não estás no purgatório: vês uma amostra do inferno, que talvez até não seja tão mau…

A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

João Nunes

João Nunes é um autor, guionista e storyteller que gosta de ajudar os outros a contar as suas próprias estórias. Divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal e já escreveu mais de 3500 páginas de guiões produzidos de curtas e longas metragens, telefilmes e séries de televisão.