O guionista e a direcção de actores

O António-Pedro Vasconcelos é um dos realizadores portugueses que mais sabe de escrita de guião, tendo sido autor ou co-autor de quase todos os filmes que dirigiu. É por isso que as seguintes palavras suas na coluna semanal que tem escrito sobre a realização do filme "Call Girl" [1] têm um valor especial:

A direcção de actores começa na escrita dos diálogos. Podia acrescentar: num bom script, na invenção de um bom conflito, no desenho de um bom personagem. Call Girl é o primeiro script do Tiago R. Santos. Eu e ele trabalhámos dois anos na história, durante os quais ele foi escrevendo o argumento, versão após versão.

Um personagem como Maria (Soraia Chaves), por exemplo, deve muito aos extraordinários diálogos do Tiago.

Para o Tiago Santos, que além do mais também é membro da direcção da APAD, este elogio deve ser motivo de orgulho (merecido); para todos os restantes guionistas, é um reconhecimento do valor do nosso trabalho e um desafio para resultados cada vez melhores.

Notas de Rodapé

  1. Coluna “Diário do Realizador”, semanário Sol nº 51 de 1 de Setembro de 2007[]

Este Artigo Tem 2 Comentários

  1. Luís Correia

    Bom Dia.
    Gostaria de V/ apresentar alguns guiões que escrevo que poderiam resultar em pequenos filmes. Ou em alternativa pedia-vos que me indicassem nomes a quem me possa dirigir.

  2. Rogerio Rosa

    Sou actor de cinema e estou ao dispor de realizadores.

A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

João Nunes

João Nunes é um autor, guionista e storyteller que gosta de ajudar os outros a contar as suas próprias estórias. Divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal e já escreveu mais de 3500 páginas de guiões produzidos de curtas e longas metragens, telefilmes e séries de televisão.