Adaptação

Há coisas que o cinema faz bem e outras que faz menos bem. Por exemplo, o cinema é muito bom a contar uma história pela perspectiva de um personagem, ou várias histórias pela perspectiva de vários personagens. Já contar uma mesma história pela perspectiva de personagens diferentes, saltando de um para o outro, – coisa […]

Continue a Ler

O fluxo das ideias

Conforme vou lendo e anotando o romance, e passando essa anotações para o software de estruturação, começam a surgir ideias para o guião. Algumas têm a ver com a estrutura do filme (“talvez esta cena devesse entrar noutro lugar” ou “acho que esta sequência não vai caber no guião”), outras têm a ver com questões […]

Continue a Ler

Primeiras notas de leituras

Estou a reler o romance que vou adaptar, tomando notas para refrescar a memória que retive da primeira leitura. Como já suspeitava, o desafio maior vai ser decidir o que deixar de fora. O livro tem uma riqueza de material de base – personagens, situaíões, referências, até diálogos – muito superior ao que um filme […]

Continue a Ler

A Aventura do Poseidon

O Lusomundo Premium passou ontem, depois do jogo Portugal x Franía, um filme muito a propósito: “A Aventura do Poseidon”. Nesse épico dos anos 70 um pequeno grupo de pessoas, corajosas e lutadoras, chefiadas por um sacerdote com mau feitio mas bom coraíão, tentam sobreviver dentro de um barco virado por uma onda gigante. Chamemos […]

Continue a Ler

Assustador

Ontem vi o filme mais assustador dos últimos tempos: A Descida, do guionista/realizador Neil Marshall. É um daqueles filmes que conforme o tempo passa nos vão empurrando para a beira do sofá, cada vez mais tensos, cada vez mais horrorizados. A história é simples. Seis amigas com gosto pela aventura e desportos radicais exploram uma […]

Continue a Ler

As Crónicas de Nárnia

Fui ontem ao Cinema Atlântico ver "O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa", o primeiro volume das "Crónicas de Nárnia" a ser adaptado para o cinema. Tenho pena de não ter descoberto esta obra quando tinha a idade do meu filho Frederico – onze anos. Ofereci-lhe o livro neste Natal e ele adorou, devorando-o num […]

Continue a Ler

Escrita

Estou a trabalhar na reescrita de uma série de televisão para a RTP, passada entre Portugal e Angola, no tempo presente e durante a guerra colonial. Lembraram-se de mim por causa do último guião que escrevi para o canal 1 (o telefilme “29 Golpes” da série “Amores”) e por estar aqui a viver em Luanda. […]

Continue a Ler

Sin City

Não posso dizer que “Sin City”, de Frank Miller e Robert Rodriguez, seja um bom filme, porque não é exactamente de um filme que se trata. “Sin City” é coisa nova, uma mutaíão de uma banda desenhada, mas não no sentido depreciativo com que normalmente se faz essa comparaíão. Neste caso é um elogio, ou […]

Continue a Ler

Clube de Ví­deo

Descobri finalmente um clube de ví­deo decente. É o Clube da Muxica e tem uma selecíão bastante grande de tí­tulos, incluindo alguns muito recentes. Ontem aluguei e assisti a “Red Eye“, um thriller de Wes Craven. Um bom filme, sem grandes pretensões, com um argumento escorreito, uma direcíão limpinha e um vilão muito bem conseguido. […]

Continue a Ler

Equador

O tal livro que toda a gente comenta que daria um grandioso filme épico português, ou uma excelente mini-série ao jeito das saudosas “jóias da coroa” da BBC, houvesse no nosso paí­s dinheiro e know-how para o adaptar.Dinheiro, é improvável que cheguemos lá com um mí­nimo de dignidade; a amplitude da história, a diversidade geográfica – Lisboa no iní­cio do século XX, a S. Tomé colonial do cacau e do café, a índia exótica da rainha Vitória – e a sua complexidade temática, histórica e polí­tica, não se compadecem com adaptaíões â€œí  la moita flores”.

Continue a Ler

Luanda de novo

Um voo óptimo, por sinal; comida nem melhor nem pior do que a da TAP ou Varig (para falar das que conheío melhor); pessoal de cabina simpático e eficiente quanto baste;nada de turbulências nem agitaíões; uma descida suave e uma aterragem perfeita. A única desvantagem, a meu ver, é que a aeronave – um Boeing 747 – não tinha programaíão de bordo; nem música nem filmes.O melhor, contudo, ainda estava para vir.

Continue a Ler

Tiro no Escuro

O primeiro filme que fui ver depois de regressar de Angola foi o “Tiro no Escuro”, realizado pelo Leonel Vieira. Trabalhei no guião desse filme há uns dois anos atrás, primeiro reescrevendo-o, depois criando a versão final juntamente com o Jorge Almeida, autor do guião original, o Leonel e o Tino Navarro. O filme já […]

Continue a Ler

De partida

Hoje í s seis da tarde fazemos o check in para o voo TAP que nos vai levar de novo a Portugal, í  famí­lia, aos amigos, í  nossa casa. Vamos encontrar muitas coisas na mesma, mas outras bastante diferentes: tenho um novo priminho, nascido ontem; o governo mudou e o paí­s ficou subitamente cor-de-rosa; o filme […]

Continue a Ler

Cinema

Domingo fomos ao cinema pela segunda vez. Mais precisamente ao Cine-Atlântico, magní­fico exemplar da arquitectura colonial do pós-guerra. É um grande anfiteatro coberto mas sem paredes laterais, o que o torna bastante arejado e agradável nas noites quentes de Luanda. Fomos ver um filme de acíão, “Anacondas”. O filme, em si, não merece comentários – […]

Continue a Ler