Um exemplo prático

Como vimos antes, um guião representa muitas coisas diferentes, para muitas pessoas. Agora está na hora de vermos na prática o que essas pessoas vão encontrar nas suas páginas.

Para isso, o melhor é dar um exemplo de uma cena retirada de um guião real, que foi escrito, financiado, produzido e mostrado ao público. Fui buscar esta cena à versão final do guião do filme "A Selva"[1], de 2003. Pode ver a formatação original baixando o guião A Selva (3981), em formato .pdf.

EXT. RUA DO ARMAZÉM – DIA

ALBERTO e FIRMINO, no exterior do armazém, preparam-se para entrar na mata. Ajeitam os apetrechos às costas. O guarda-livros e gerente da propriedade, GUERREIRO, sai do armazém. É um homem de 50 anos, magro e um pouco encurvado, vestido com sobriedade.

Vem acompanhado por D. Yáyá, 35 anos, a sua mulher. É a mesma que Alberto viu na janela da casa grande e a sua beleza é realmente admirável.

Alberto olha para D. Yáyá. A mulher também repara nele. Com o seu fato, gravata e sapatos de verniz, o português destaca-se no meio dos restantes trabalhadores.

 

FIRMINO

Tenha cuidado, moço. Aqui todas as mulheres têm dono.

 

Alberto continua a acompanhar a senhora com o olhar.

 

FIRMINO

Esse aí é o sr. Guerreiro, o gerente aqui do seringal. A mulher é Dona Yáyá.

 

ALBERTO

E uma bela mulher, por sinal.

 

FIRMINO

É sim, mas não é para o nosso bico...

(começando a andar)

Vamos andando que a caminhada é longa.

 

Alberto, que tem um SACO DE SERAPILHEIRA às costas, e a MALA DE COURO numa das mãos, encara a trilha à sua frente: um caminho cujo começo mal se percebe, rasgando uma selva imponente, imensa, perigosa. Os dois homens iniciam a caminhada em direcção ao acampamento.

CORTA PARA:

Este exemplo ilustra bem o que podemos encontrar nas páginas de um guião. Em termos da sua situação na história, é uma cena que, de certa forma, marca o final do 1º acto do filme[2].

Para situarmos a cena no contexto da história, basta saber que Alberto é um jovem monárquico refugiado no Brasil depois da instauração da República em Portugal. De Belém, onde vivia à conta de um tio, viaja até um seringal no meio da Amazónia. Aí descobre à sua espera a labuta difícil e perigosa dos operários da borracha – os seringueiros. Antes de iniciar o trajecto na selva até ao acampamento onde vai trabalhar com o seu novo companheiro Firmino Alberto cruza olhares com D. Yáyá, uma linda mulher com quem mais tarde terá um caso amoroso.

Os componentes do guião

A cena escolhida para este exemplo, que no guião tem o número 39, constitui uma pequena unidade de acção dramática independente, no tempo e local em que decorre, das cenas imediatamente anteriores e posteriores. Tal como as outras cenas, está organizada segundo uma determinada lógica e contém alguns elementos característicos da escrita de guiões, formatados de uma maneira própria[3].

O cabeçalho

Em primeiro lugar tem um cabeçalho próprio, que indica tratar-se de uma cena de exterior – EXT. -, que decorre num determinado local – RUA DO ARMAZÉM – e que se passa numa certa altura – DIA. Estas indicações ajudam o leitor da história a ir compreendendo os seus sucessivos passos e, sobretudo, são essenciais para quem vai orçamentar e planificar a produção do filme.

A descrição

Ao cabeçalho segue-se sempre uma descrição da situação e das acções dos personagens envolvidos na cena. Esta pode ocupar um ou vários parágrafos e deve ser o mais clara possível, mas também envolvente e evocativa: …um caminho cujo começo mal se percebe, rasgando uma selva imponente, imensa, perigosa.

Estas descrições têm de limitar-se ao que é possível ver ou ouvir. Devemos evitar todas as introspecções que tentem explicar o que vai na cabeça dos personagens. Esse recurso à introspecção, que faz a riqueza da literatura, só pode ser usado em cinema recorrendo à V.O. ou a outros truques do género. Essas técnicas por vezes funcionam, mas normalmente são apenas muletas para um guião coxo que não nos consegue fazer entender os personagens de outra forma.

Os personagens

Num guião os personagens são definidos pelo que fazem e dizem, não pelo que pensam, imaginam, sonham ou temem. Assim, como regra geral, devemos limitar-nos a descrever apenas aquilo que pode ser gravado e filmado. Quando um personagem aparece pela primeira vez no guião, é importante ser acompanhado de uma breve descrição das suas características: O guarda-livros e gerente da propriedade, GUERREIRO, sai do armazém. É um homem de 50 anos, magro e um pouco encurvado, vestido com sobriedade.

Além disso, sempre que um personagem é introduzido pela primeira vez no guião, o seu nome deve também ser escrito em maiúsculas[4]: ALBERTO e FIRMINO, no exterior do armazém… Finalmente, o nome do personagem que fala aparece sempre destacado antes das suas falas, de forma a identificar sem engano quem diz o quê.

Os diálogos

Além da descrição das acções e acontecimentos de uma cena, é fundamental escrever os diálogos dos personagens que nela intervêem. Como se pode ver no exemplo, isso faz-se destacando o nome do personagem num parágrafo à parte, mais recuado e em maiúsculas, seguido por um bloco de texto com a sua fala. Os diálogos podem suceder-se, intercalando um personagem com outro, ou podem ser interrompidos por novos parágrafos de descrição da acção, quando assim se justifique.

Parênteses

A fala de um personagem também pode ser antecedida por ou intercalada com comentários entre parênteses: por exemplo, (começando a andar). Estes, contudo, devem ser usados com moderação, e só quando não haja outra maneira de passar a mesma informação.

As transições

As transições são instruções escritas no fim da cena, onde se indica a forma de passar para a cena seguinte. Por exemplo, CORTA PARA:, DISSOLVE ou FADE OUT. Hoje em dia é normal o guionista não se preocupar com a indicação das transições, a não ser que queira sugerir um determinado efeito de montagem. Mesmo nesse caso, a decisão final sobre a transição a usar será sempre da responsabilidade do realizador e do editor do filme. No caso concreto desta cena, eu acrescentei a transição apenas para efeitos do exemplo, porque no guião original ela nem sequer está lá[5].

Outras indicações

Olhando para o exemplo apresentado, podemos ver que algumas palavras aparecem em maiúsculas: SACO DE SERAPILHEIRA e MALA DE COURO. São indicações destinadas a chamar a atenção do leitor (e dos técnicos da equipa de produção) para algum elemento considerado especialmente importante. É o caso, por exemplo, de adereços especiais, como aqui, e também de sons, efeitos especiais, veículos de cena, etc. Uma vez mais, é um recurso para usar com moderação – se tudo for importante, tudo deixa de o ser.

Podemos também ver que nesta cena não há nenhuma indicação técnica de realização. Os guionistas principiantes costumam pecar por encher as suas descrições com travellings, panorâmicas, close ups e outros termos técnicos. Mas hoje considera-se desnecessário dar indicações concretas sobre movimentos de câmara, efeitos de lentes, etc. Além dessas opções serem da responsabilidade do realizador e do director de fotografia, a sua inclusão no guião torna-o mais complicado e aborrecido de ler. Contudo, há maneiras do guionista influenciar a realização do filme sem o dar a entender. Vamos vê-las em artigos futuros dedicados à s técnicas de escrita.

Se quiser um modelo do word que lhe permite formatar correctamente os seus guiões, pode usar um template que eu criei. Contacte-me aqui e terei todo o gosto em enviá-lo para si.  (Actualização: Terei todo o prazer em continuar a enviar o modelo de guião que criei, mas sugiro que em vez disso experimentem o software CeltX. É gratuito, está disponível para Mac, PC e Unix, tem muitas mais possibilidades e permite exportar para formato compatível com o Word.)

Agora que já temos uma ideia um pouco mais concreta do que é um guião/argumento/roteiro, podemos passar a analisar o processo da sua criação. E tudo começa com uma ideia, como poderemos ver no próximo artigo. Mas, antes disso, sugiro-lhe um pequeno exercício.

Exercício

Numa boa livraria, na internet ou através dos seus contactos na nossa pequena indústria do cinema, arranje o guião de um filme que tenha sido produzido. Leia-o tomando em atenção os aspectos acima descritos. Se conseguir arranjar o DVD desse filme, ainda melhor. Tente identificar as cenas do guião com as do filme, e ver as diferenças.

Notas de Rodapé

  1. "A Selva" – guião de Izaías Almada e João Nunes, adaptado da obra homónina de Ferreira de Castro. Produção de Paulo Trancoso/Costa do Castelo Filmes. Realização de Leonel Vieira. Está editado em DVD.[]
  2. mais à frente, num artigo sobre Estrutura, veremos o que é esta coisa dos actos[]
  3. Para a formatação dos exemplos estou a usar CSS adaptado do que é usado no excelente site do guionista americano John August.[]
  4. Há quem prefira capitalizar os nomes apenas da primeira vez que aparecem no guião, e quem o faça quando aparecem em cada cena. Eu era adepto da segunda opção, mas nos guiões mais recentes mudei para a primeira.[]
  5. Há outra razão para evitar as transições – roubam muito espaço. Num guião muito extenso, com muitas cenas (como era o caso deste) poupam-se algumas páginas se não se colocarem essas indicações. O filme não fica mais curto, mas parece.[]

Estes artigos talvez lhe interessem

41 comentários

  • Caro amigo:
    Em Português escreve-se “as personagens”, e não “os personagens”; tal como não se diz “os garagens” nem “os vagens”. Isso é uma influência do Brasil que assimilaram do Inglês.
    Um abraço e continue.
    Teixeira Moita

    • Hugo 04/03/2010   Deixe uma resposta a →

      Desculpe lá! Em Português, para cinema, chamam-se “os personagens”, para literatura, “as personagens”.

  • João Nunes 05/03/2007   Deixe uma resposta a →

    Caro amigo

    agradeço a sua correcção, mas remeto-o para o Dicionário da Lí­ngua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa, que apresenta “personagem, s. m. ou f.”, na página 2836. Idem no Dicioná¡rio da Lí­ngua Portuguesa da Porto Editora (página 1272) e, evidentemente, no Dicionário Houaiss da Lí­ngua Portuguesa (página 2196).

    Penso poder assim dizer-se, em português correcto de Portugal ou de outro lado qualquer, “o personagem”, da mesma forma como se diz “o selvagem”.

    Os melhores cumprimentos

    João Nunes

  • Gosto imenso da sua explicação para um guião… Gostava de deixar bem claro também que concordo consigo em tudo o que escreve.
    um abraço,
    Jesualdo.

  • Ana Sofia Sanches 07/03/2008   Deixe uma resposta a →

    Olá Bom dia,

    Descobri o seu site por puro acaso, para quem acredita neles, quando decidi pedir socorro ao Google para me encontrar uma alma caridosa, que me ajudasse com as minhas notas, que têm já alguns anitos e, das quais pretendo fezer um guão… E aí está você!
    As suas notas, têm sido bastante úteis nestes 3 dias. Comecei já a recuperar tudo o que tenho e… não, e não! Mas… mas ainda não consegui ler mais do que uma folha (frente e verso). É que escrevi algumas delas a 3 anos e faz-me confusão, como aquelas personagens e situações saíram para fora…
    Mas tudo bem, eu chego lá. AContece que com a sua ajuda percebi, finalmente, que o precesso é assim mesmo. Eu provavelmente tenho apanhado umas quantas histórias da vida quotidiana (as tais que poderão ser uma 6 por dia eh eh eh!) sem me aperceber… Vou dedicar-me com maior afinco e disciplina e, espero modestamente que o João continue por perto para me ir dando umas dicas, ok?
    Para já vou terminar a leitura do curso sobre a escrita do guião, e enquanto isso passando o olho ás minhas próprias notas… depois se achar que existe ali alguma coisa, dedicar-me-ei a elas, caso contrário estarei atenta ao meu mundo… e aos dos claro (risos).

    Ah! Como teve a gentileza de disponibilizar o guião da selva, vou comprar o DVD… depois conto o que achei.

    Obrigada por tudo
    Ana Sofia

  • Mariana Migueis 19/03/2008   Deixe uma resposta a →

    Caro Srº:
    Agradeço-lhe o site,que me foi de grande valia e de uma simplicidade “Brilhante”.Gostaria de iniciar-me nestas andanças,mas estava um pouco perdida.Agora encontrada tentarei pôr em prática as suas dicas e iniciar o Guião que sempre desejei,desde de muito Criança.

  • Joaquim Carvalho 28/08/2008   Deixe uma resposta a →

    Caro amigo,
    Foi com muita satisfação que descobri este site. Sempre me interessou a escrita, principalmente, de romances. Dada a dificuldade, no nosso país, em publicarmos uma obra nossa, pelo menos se formos desconhecidos, comecei a interessar-me por guinismo. Sempre adorei o cinema, razão até, acredito, me fez gostar tanto de escrever e isso, levou-me a procurar artigos sobre a matéria. Numa visita á FNAC, encontrei um livro muito interessante, de um argumentista e professor brasileiro, Doc Comparato, por sinal, o primeiro e único livro sobre o assunto em questão. É bastante completo, e que sugiro a todos os que se interessem pela matéria. Um abraço e votos de uma longa vida para este site!!!

  • raquel 17/10/2008   Deixe uma resposta a →

    caro amigo joaquim carvalho nao seria possivel a publicacao desse tesouro para pobres mortais como eu que nao acho esse livro por nada no mundo

  • David P. 23/10/2008   Deixe uma resposta a →

    Também descobri este site por acaso, pois tive uma ideia para um filme e tem ajudado muito na construção do guiao.
    Obrigado

  • Giba 23/03/2009   Deixe uma resposta a →

    Caro João, muito legal suas dicas para quem não sabe nada sobre o assunto e pensa ter uma boa idéia para um filme. Na verdade, penso que todos compartilham da mesma opinião: se tantos filmes ruins são produzidos, mesmo que por diretores de renome, por que não podemos nos aventurar a escrever um. Abraços desde esta costa oposta.
    Obs. compartilho da sua opinião sobre “o personagem”.

  • ocimar moreira 07/04/2009   Deixe uma resposta a →

    Fiquei muito feliz ao descobrir esse site , tem me inspirado a iniciar um projeto de roteiro do meu primeiro curta metragem, com certeza aprenderei muito aqui.

  • Washington L Soares 03/05/2009   Deixe uma resposta a →

    Sou brasileiro e adorei o seu site. Já era apaixonado pelo romance a Selva há muitos anos e gostei demais do filme, e isso foi o que me atraiu à sua página, recuperando o sonho de escrever um roteiro.
    Obrigado
    Washington

  • Sou brasileiro também e saiba, meu caro, que seu site e suas dicas estão sendo de uma serventia enorme!
    Muito obrigado MESMO. Já adquiri alguns livros sobre roteiro, mas seus textos são de longe muito mais eficientes.
    Um grande abraço!

  • Eu concordo com Elienai, também tenho um livro para roteiro, mas nenhuma explicação foi tão direta e atual que me dispusesse desde já a roteirizar no Celtx (programa abençoado) textos escritos anteriormente em outras formas.

    Parabéns pela boa vontade, responsabilidade e afinco ao qual tem exercido influência definitiva nos seus alunos auto didatas espalhados pela net.

    Att, GJSN7. Rio.

  • a. m. alonso 27/10/2009   Deixe uma resposta a →

    Olá.

    o que é o V.O. que você menciona? Não entendi.

    obrigada,

    Aline.

    • João Nunes 27/10/2009   Deixe uma resposta a →

      Quer dizer Voice Over, ou seja, a voz de um personagem que não está fisicamente na cena. Por exemplo, a voz do protagonista recordando uma cena no passado, ouvindo-se sobre essa cena, ou quando um personagem está a ler uma carta e ouvimos as palavras pela voz de quem a escreveu.
      Não confundir com (O.S.) que quer dizer Of Screen, e é a voz de um personagem que está na cena mas não é visível no momento em que fala. Por exemplo, porque está fora do campo de visão. ou atrás de uma porta.
      Em Portugal (não sei se no Brasil também é assim) usa-se muitas vezes (OFF) tanto numa como noutra situação, para simplificar.

  • a. m. alonso 28/10/2009   Deixe uma resposta a →

    Nossa João! Muito obrigada!!!! Não sabe como estou gostanto do seu site!

    Quando eu descobrir se o termo é usado aqui no Brasil, eu comunico. Vou fazer mais uma pergunta: como indico a voz de um narrador?

    Beijos,

    Aline

    • João Nunes 28/10/2009   Deixe uma resposta a →

      A voz de um narrador é um caso típico de (V.O.). Pode aparecer como NARRADOR (V.O.), ou, mais frequentemente, como MANUEL (V.O.), caso o Manuel seja um personagem que já apareceu ou vai aparecer no guião.
      Boas escritas.

  • Ivana Rowena 30/12/2009   Deixe uma resposta a →

    Olá, João, que bom que você continua disposto a dividir conosco seus conhecimentos! Não sou propriamente uma principiante, pois já tenho roteiros publicados e há 2 semanas eu e a minha micro equipe vencemos o concurso Mesa de Bar (da Bossal Produtora) na categoria Trailer, roteiro meu. O curta agora está sendo editado completo e traduzido para inglês, espanhol e japonês para concorrermos a outros concursos e há uma sequência completa que escreví visando o Festival de um minuto
    Agradeço a você e ao Doc Comparato as nossas vitórias, vocês dois são as minhas fontes seguras de conhecimentos prático, fundamentado e atualizado. Foi na turma do Doc que encontrei meus parceiros de equipe mas já o conhecia antes e mantemos contato constante aqui no Rio. Por isto, quero dizer aos colegas de comentários que o novo livro do Doc já está desde outubro nas livrarias e que há sim, uma boa bibliografia brasileira sobre o assunto “roteiro”.
    Gostaria de colaborar com duas observações: ao sistematizar a formatação dos meus roteiros da forma que você ensina, aconteceu que: 1) Produtoras e minha própria equipe me pediram para numerar as sequências para efeito de maior objetividade na localização da ação e na fase de pré-produção (decupagem); 2) Produtoras me pediram que não escreva nada mais no roteiro além da ação propriamente dita, deixando para a sinopse aqueles detalhes que você sugere).
    Adotei a numeração mas ao participar da grande mesa redonda para fazer a primeira leitura do roteiro com os atores e a equipe reunidos, percebí que ninguém lia sinopses, apenas o argumento e o perfil dos personagens.
    Conclusão: continuarei a fazer exatamente como você ensina só retirando detalhes do perfil dos personagens pois aqui até que o lêem.
    um grande abraço

  • Richardson Luz 21/07/2010   Deixe uma resposta a →

    João, nesta segunda aula do teu curso básico eu gostaria de tirar uma dúvida que tenho. Tu falas muito de Guião e o modelo apresentado na lição não apresenta os emquadramentos, ou seja, apenas descreve as cenas, mas não se sabe como isso será apresentado na tela. Perguntas: Esse trabalho (de definir os enquadramentos) é do guionista? Aí em Portugal chama-se Guião Técnico ou Guião Decupado, ou outro nome? Obrigado.

    • Luis Moura 06/08/2010   Deixe uma resposta a →

      Richardson,

      Os “enquadramentos” a que se refere são os planos, ou seja, a forma como a acção será visualizada pelo espectador. Essa tarefa compete ao realizador. O produto final, tal como o vemos, é fruto da interpretação do guião, por parte da pessoa que dirige o projecto. Ao realizador pede-se que transforme as palavras de um guião em imagens.
      Essa tarefa nunca compete ao guionista, a não ser que ele próprio seja também o realizador do filme. Apesar de não ser muito comum acumular estas duas tarefas, há inúmeros exemplos de realizadores/autores. Woody Allen, Pedro Almodóvar, Christopher Nolan, apenas para citar alguns.
      Neste caso, do autor/realizador, faz sentido que o guião possa conter, logo numa primeira fase, indicações técnicas. Normalmente porque quando escreve, a pessoa já está a visualizar o modo como as cenas poderão ser feitas. Caso contrário, não é aconselhável que um guionista entregue um guião com este tipo de indicação, pois estará a interferir com a função do realizador e com a sua criatividade, e isto pode causar problemas.
      O guião do filme “A Selva” foi co-escrito pelo João Nunes e realizado pelo Leonel Vieira. Logo, suponho que o excerto de guião que o João aqui apresenta não contém indicações de planos pelos motivos que já referi.
      O guião técnico contém todas as indicações que envolvem a produção do fime (planos, luz, som, adereços) e que são necessárias para a sua realização. Neste caso, o guião passa pelas mãos de vários elementos da equipa, desde o realizador, ao produtor, director de fotografia, operador de câmara, etc, antes de ser fechado.

      Cumprimentos

  • Pedro Timbe 26/04/2011   Deixe uma resposta a →

    Gostei muito das suas dicas sobre como escrever um roteiro, contudo não ficou muito claro onde começa e termina o trabalho de um guionista, e como ele vai articular o seu trabalho com resto da equipa de produção. A propósito, o que é decupagem?

  • Prezados João Nunes e Luis Moura, no dia 21/07/2010 publiquei aqui uma dúvida e a tive respondida. Agradeço o empenho e vejo que progredi em meus estudos, pois hoje, quase um ano depois já adquiri diversas obra sobre escrita de roteiro (guião) e vejo que apesar de já saber algumas coisas sobre o assunto preciso saber ainda mais. Exemplo disso é que adquiri ontem dia 27 de abril de 2011 um livro sobre construção de personagens e outro sobre produção em cinema. Continuo pesquisando, pois sou ávido por conhecimento e minha intensão é escrever guiões cada vez melhores. Também decidi há alguns tempos atrás trabalhar com documentários, iniciei também uma profunda pesquisa nesse campo e pretendo produzir alguns documentários como exercício de cinema e mesmo para adquirir alguma visualização nesse mercado.
    Se os que aqui escreveram quiserem saber a bibliografia que possuo é só responder este post ou mandar e-mail para richardsonluz@gmail.com – Atualmente ela é pequena mas são livros sobre pré-produção, produção e pós-produção. PS: pra quem deseja aventurar-se no documentarismo, é necessário frizar que o guião de um documentário é essencialmente diferente do guião de uma ficção. É outro aprendizado.

  • Jhane 21/07/2011   Deixe uma resposta a →

    João .
    Estou confusa em relação ao que fazer .
    Bom como sou muito novo não tenho muito á fazer . Para me livrar do tédio da minha rotina , comecei a escrever , historias , que me sentia muito bem . Passei alguns meses , escrevendo uma historia , sempre escrevi á noite , por ver tantas noites em claro , decidi que aquele era um dom ,o meu dom , passei a me dedicar mais em literatura , e o meu sonho passou á ser uma grande escritora ; mas então minha historia chegou ao fim , os dias bons acabaram , tudo oque eu sentia , se perdia totalmente no vento . Passei tanto tempo pensando nisso , que cheguei a desejar somente escrever , meu sonho ninguém sabia além de mim e de uma amiga . Um dia conversando com a minha amiga , prometi á ela escrever uma historia , em que ela fosse minha inspiração, comecei a pensar na minha historia , logo cheguei a conclusão que seria ficção , continuou a escrever e acredito muito em cada madrugada , acredito muito no que eu escrevo , e passei a pensar que escrever um livro seria muito pouco , eu queria mais e mais , queria que todos sentisse e vissem oque eu ví , porque eu ví um filme se passar enquanto escrevia , e sentia uma sensação inesplicavel. Bom , pensei que o cinemas poderia me dar essa oportunidade , gostei muito do seu blog , mais tenho duvidas se estou no caminho certo , e por isso gostaria muito que me respondesse , me dizendo se estou no caminho certo .
    Eu agradeço desde já .

    • João Nunes 29/07/2011   Deixe uma resposta a →

      Cara Jane, só você pode saber se está no caminho certo. Mas pelo que li na sua mensagem desconfio que sim, que a escrita faz e fará sempre parte da sua vida.
      Se sente realmente esse impulso de escrever, e se isso lhe dá a satisfação que refere, então deve continuar a fazê-lo, sempre e cada vez mais. A escrita também se aprende com a prática, a insistência, o aperfeiçoamento – para escrever melhor é preciso escrever mais.
      Outra coisa – se realmente vê um filme a passar na sua cabeça enquanto escreve, então tem o mais importante para ser argumentista, para escrever para cinema. É isso mesmo que temos que fazer – ver as imagens de um filme na nossa cabeça, e descrevê-las no papel. O resto também vem com a prática, com a aprendizagem de uma técnica. Mas o mais importante já está aí.
      Leia muito – muitos livros, muitos guiões. Estude a técnica da escrita, de romance e de guião. E escreva muito, muito, muito. Tudo se resume a isto.
      Quando tiver o seu primeiro livro publicado, ou o seu primeiro filme produzido, escreva-me uma mensagem. Vou ficar feliz por si.
      Entretanto, boas escritas.

  • kauan thott 02/02/2012   Deixe uma resposta a →

    JOÃO, gostei muito da sua ultima resposta á Jhane. Ela desceveu o mesmo que ai escrever a vc, a sua resposta a ela servio para mim tambem. obrigado!! estou gostando muito do seu site.

  • Olá João Nunes,
    Meu nome é Márcio, sou brasileiro e moro na Argentina. Tenho quase 30 anos e descobri em 2009, quando já estava para me formar em Medicina, que queria estudar Publicidade. Deixei tudo para trás para ir em busca de algo que me faça feliz. Comecei a estudar publicidade, já estou cursando o terceiro ano, e me encontrei com a criatividade. Porém, sempre quis ir mais além e escrever. Como não sabia como escrever um roteiro, hoje tive a ideia de começar a transcrever alguns sitcoms. Antes disso acabei encontrando o seu site. Contei um pouco da minha vida para agradecê-lo imensamente, estou gostando muito do seu blog. Ah, antes que me esqueça, o programa indicado também é “show de bola”! Realmente só tenho a agradecer pela sua atitude.
    Valeu!
    Sucesso.

    PS: Deixei o link do meu blog, que comecei a escrever em 2012. É um blog que relaciona acontecimentos de um ano com publicidade, música, filmes, curtas, curiosidades…

  • Eugenio Kiron 29/05/2012   Deixe uma resposta a →

    Olá Nunes , muito bom e explicativo o seu blog. Eu sou estudante de produção audiovisual , faço roteiros para curta metragens, roteiros de musicais e de CDs dramatizados com sonoplastia e musicais .. Estou escrevendo meu primeiro longa metragem adaptado de uma literatura … Esse trabalho de fazer um “Guião” vai me ser muito útil. Sou bem dedicado e estudo muito … quero ser um roteirista profissional tenho 46 anos não posso perder tempo. Valeu !

  • Ruben Mag´s 14/03/2013   Deixe uma resposta a →

    Obrigado, aprendi bastante com o teu site!
    Eu estou a escrever um guião para uma curta-metragem que queria realizar com uns amigos meus, e era isto mesmo que eu queria “aulas” de como fazer um guião como deve ser.
    O programa “Celtx” é extremamente fácil de se utilizar, contudo eu, tendo zero de experiência a escrever guiões, não sei bem o que significa “Plano”, tem a ver com a colocação de camara ou assim?
    Gostaria de ser esclarecido…

    • João Nunes 15/03/2013   Deixe uma resposta a →

      Hoje em dia não é comum dar indicações de PLANOS nos guiões, mas antes isso acontecia com bastante frequência. Na realidade quase era exigido. Daí o CeltX ainda incluir essa opção, junto com as obrigatórias: CABEÇALHOS, ACÇÂO, PERSONAGEM e DIÁLOGO.
      Como suspeita, o PLANO tem a ver com o enquadramento da câmara escolhido para mostrar uma determinada acção ou momento dramático. Pode ser um plano geral, um close up, um insert, etc. Não vou explicar o que significa cada um, porque não é a minha função, mas encontra as explicações com facilidade na internet.
      Não faz parte do trabalho do guionista escolher os planos; essa é uma responsabilidade do realizador e do diretor de fotografia. Mas qualquer guionista tem obrigação de estudar os aspectos mais técnicos do cinema, assim como a sua história, teoria, semiologia, etc. Também é bom ter noções de direcção de atores, fotografia, efeitos especiais, enfim, tudo o que se relaciona com a nossa arte.
      Por um lado, porque se trata de cultura geral numa área que o guionista deve amar, o cinema e o audiovisual. Eu pelo menos sou assim; se me apaixono por alguma coisa quero aprender o máximo sobre esse assunto.
      Mas também porque um guionista é um tipo de autor especial, que está a escrever uma obra que se destina a ser transformada noutra coisa – num filme, curta, documentário, etc. Quanto mais souber sobre o trabalho das pessoas que vêm a seguir na cadeia que conduz ao produto final, melhor pode fazer o seu próprio trabalho.
      Boas escritas.

  • Ruben Mag's 17/03/2013   Deixe uma resposta a →

    Eu penso tambem assim “se me apai­xono por alguma coisa quero apren­der o máximo sobre esse assunto.”
    Muito obrigado, por esclarecer-me a duvida! Agradeço muito, e já agora excelente site.

    • João Nunes 18/03/2013   Deixe uma resposta a →

      Obrigado pelos comentários e continue a aparecer por cá. Boas escritas.

Deixe a sua opinião ou comentário: