Grandes diálogos: Você não aguenta a verdade!

KAFFEE

Vou perguntar pela quarta vez. Você ordenou --

JESSEP

Quer respostas?

KAFFEE

Acho que as mereço.

JESSEP

Quer respostas?!

KAFFEE

Eu quero a verdade.

JESSEP

Você não aguenta a verdade!

Ninguém se mexe.

JESSEP

(continuando)

Filho, vivemos num mundo que tem muros. E esses muros têm de ser guardados por homens armados. Quem é que vai fazer isso? Você? Você, tenente Weinberg? Eu tenho uma responsabilidade maior do que vocês podem sequer imaginar. Lamuriam-se pelo Santiago e maldizem os fuzileiros. Podem dar-se a esse luxo. Podem dar-se ao luxo de não saber o que eu sei: Que a morte de Santiago, apesar de trágica, provavelmente salvou vidas. E que a minha existência, apesar de grotesca e incompreensível para vocês, salva vidas.

(pausa)

Você não quer a verdade. Porque lá no fundo, nos lugares de que não se fala nas festas, você quer-me nesse muro. Precisa de mim lá.

(gabando-se)

Nós usamos palavras como honra, código, lealdade... usamos essas palavras como a espinha dorsal de uma vida passada na defesa de algo. Vocês usam-nas como piadas.

(pausa)

Não tenho nem o tempo nem a inclinação para me justificar perante um homem que acorda e adormece debaixo da coberta da liberdade que eu lhe proporciono. Preferia que se limitasse a dizer obrigado e seguisse caminho. Caso contrário, sugiro que arranje uma arma e venha armar sentinela. De qualquer forma, estou-me a lixar para o que considera ser seu direito.

KAFFEE

(em voz baixa)

Ordenou o código vermelho?

JESSEP

(pausa)

Fiz o serviço que vocês me mandaram fazer.

KAFFEE

Ordenou o código vermelho?

JESSEP

(pausa)

Pode ter a certeza que sim.

Diálogo retirado do guião de A Few Good Me – Uma Questão de Honra, escrito por Aaron Sorkin a partir da sua peça de teatro.

No filme, o advogado militar, Tenente Kaffee, foi interpretado por Tom Cruise e o Coronel Jessep por Jack Nicholson. O seu monólogo final de admissão de culpa, onde mistura orgulho, desprezo e impaciência, é um grande momento de teatro brilhantemente transposto para o cinema.

A tradução é minha.

Grandes diálogos: Você não aguenta a verdade!

A sua opinião é importante. Deixe-a aqui:

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

João Nunes

João Nunes é um autor, guionista e publicitário que divide o seu tempo entre Angola, Brasil e Portugal. Conta com mais de 3000 páginas de guiões produzidas sob a forma de longas metragens, telefilmes, e dezenas de episódios de séries de televisão.